Pedro J. Marquez
Pedro J. Marquez

Mostra exibe filmes que tratam de questões importantes para a região amazônica

Mostra exibe filmes que tratam de questões importantes para a região amazônica

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2021 | 22h48

Em sua 10ª edição, a Mostra Ecofalante de Cinema – Semana do Meio Ambiente: Especial Amazônia será realizada, de forma digital, desta quarta, 2, até o dia 9, com a promessa de fazer o público pensar e refletir sobre o mundo e a natureza. Por isso mesmo, integra a Semana Nacional do Meio Ambiente, criada em 1981 e que mantém o objetivo de ressaltar temas relacionados à preservação da natureza no Brasil. Em sua programação, constam 16 filmes e duas séries para TV, além de debates, que poderão acompanhados pelo site do evento (ecofalante.org.br).

A abertura da mostra será às 19 h, com participação de diretores comentando seus filmes e, na sequência, às 20 h, serão exibidos os filmes Soldados da Borracha, de Wolney Oliveira, seguido da pré-exibição mundial do filme BR Acima de Tudo, de Fred Rahal Mauro. 

Tanto os filmes como os demais eventos da Ecofalante pretendem traçar um painel com questões inerentes à região amazônica. Em seu documentário, Fred Rahal revela uma realidade pouco conhecida do restante do Brasil, mas que precisa da atenção de todos. O objetivo é mostrar como ficará a região no norte Estado do Pará com a expansão da BR-163. “No documentário, temos vários depoimentos que dão o tom do que esse projeto pode significar, não é difícil de intuir”, afirma o diretor, que conta ter vivido 18 dias agitados para realizar o filme, após um “período intenso de pesquisa”. Ele ressalta que o importante foi ouvir as pessoas que são diretamente atingidas pelo projeto. 

Outro nome de destaque, entre tantos outros que integram a mostra, Jorge Bodanzky exibe sua série da HBO Transamazônica: Uma Estrada Para o Passado, realizada ao lado de Fabiano Maciel. Nela, a história da estrada que corta a floresta e que surgiu como o maior “projeto da ditadura militar do Brasil, iniciado no final dos anos 1960 e com 4.260 km de extensão, e que vai de Cabedelo, na Paraíba até Lábrea, no Amazonas”, conta Bodanzky. Em sua série, o diretor vai fundo nas diversas questões ligadas a esse polêmico projeto. “O objetivo de abordar este assunto é mostrar o que está acontecendo na Amazônia. E a ideia de percorrer a estrada, na realidade, é mostrar um Brasil que poucos conhecem e trazer à tona o modelo de ocupação da amazônia.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.