Mostra Ecofalante de Cinema propõe reflexão sobre mundo pós-1960

Mostra Ecofalante de Cinema propõe reflexão sobre mundo pós-1960

Evento ocupa diversas salas em SP, com longas clássicos como ‘Corações e Mentes’ e ‘Zabriskie Point’

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2019 | 21h47

Um dos principais eventos cinematográficos dedicados ao tema socioambiental, a Mostra Ecofalante de Cinema continua em cartaz com ampla programação em São Paulo – e, melhor, com ingressos gratuitos.

Nesta quinta, 6, entre as várias opções, destaque para duas obras-primas. O documentário Corações e Mentes (que será exibido às 20h na Reserva Cultural) estreou em 1974 e logo faturou o Oscar da categoria. Merecido: o longa dirigido por Peter Davis ainda impressiona pela crueza de suas imagens.

O filme tornou-se uma peça importante dos protestos que levaram ao fim da Guerra do Vietnã ao mostrar os horrores do conflito para os habitantes locais. Em entrevista ao Estado em 2005, o cineasta contou que o documentário nasceu da indignação. “A mídia só mostrava imagens tendenciosas da guerra.” Integrante de um grupo de cinegrafistas e montadores, eles decidiram que era preciso mostrar as coisas também do outro lado.

“As imagens de destruição com napalm provocaram tanta indignação que o Congresso dos EUA votou uma lei desautorizando o uso de armas químicas”, contou Davis. Por causa disso, os generais disseram que foram impedidos de ganhar a guerra.

Mais cedo, às 18h, na mesma Reserva Cultural, o espectador poderá (re)ver um clássico de Michelangelo Antonioni, Zabriskie Point. Trata-se do filme americano rodado pelo cineasta italiano em 1970, uma crítica ferrenha contra uma sociedade cada vez mais favorável ao consumo e esvaziada de sentido. O longa mostra um estudante que, suspeito de agredir um policial durante um protesto no câmpus universitário, é obrigado a fugir.

Em seu caminho, ele conhece uma garota hippie. Junta, a dupla ruma até o Vale da Morte, na Califórnia, marcada por paisagens abertas, como o marco Zabriskie Point.

Recheado de simbolismos, o filme tem um final assombroso, no qual a heroína imagina uma explosão que leva os destroços do mundo ocidental a caírem em cascata pela tela, em câmera superlenta e cores vívidas. Ainda hoje, deslumbrante. 

Com exibições até o dia 12, a Mostra Ecofalante propõe uma reflexão sobre o mundo após os anos 1960 por meio de obras instigantes e definitivas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.