Mostra do audiovisual exibe 309 trabalhos

Começa hoje a Mostra do Audiovisual Paulista, vitrine da produção audiovisual local e plataforma de lançamento de novos talentos, novas tendências e novas formas de linguagem. Exibe nesta 16.ª edição 309 trabalhos, entre curtas-metragens, vídeos autorais, programas e séries para televisão, filmes publicitários, videoclipes e filmes em Super-8, além de vários outros formatos. A programação começa amanhã para o público e prossegue até o dia 20, no Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural São Paulo, CineSesc e Sesc Vila Mariana. Haverá ainda exibições especiais na Praça do Projeto Aprendiz, na Vila Madalena, e na Escola Estadual Condessa Filomena Matarazzo, em Ermelino Matarazzo, na zona leste. Várias tendências podem ser identificadas na seleção, dos filmes de periferia até os clipes musicais, das ficções até as experimentações. O organizador Francisco Cesar Filho, o Chiquinho diz que seu interesse maior é pelo olhar das classes menos abastadas. Ele cita como símbolo disso o caso de Atiely Santos, da zona leste, que participa da mostra com dois trabalhos, Atitude na Cena, documentário sobre grupos de apoio social da sua região, e a videoficção O Banho. "Antigamente, para fazer cinema era preciso estar muito inserido", diz Chiquinho. "Hoje, com os avanços tecnológicos e o aperfeiçoamento do vídeo, essa garotada da periferia está mostrando o seu olhar e dando um sentido para a videodramaturgia - estão criando uma linguagem nova." A sessão inaugural, hoje, no CineSesc, terá a pré-estréia mundial do videodocumentário Morte Densa, de Jurandir Müller e Kiko Goifman. Será também uma sessão de comemoração para a dupla de diretores. O filme foi selecionado para a competição de vídeo do Festival de Locarno, em agosto, e já tem veiculação garantida pela TV Cultura, em setembro. Reúne depoimentos de oito assassinos confessos, que têm em comum o fato de que mataram apenas uma vez. Quase todos os entrevistados, homens e mulheres, mataram pessoas próximas - pai, irmão, amante, amigo. Há desde relatos emocionados, como o da mulher que matou o namorado em uma briga de bar, até depoimentos frios, como o da filha que com a mãe planejou o assassinato do pai. Segundo Müller e Goifman, Morte Densa baseia-se na premissa de que os crimes de assassinato sempre aparecem na mídia sob a capa do sensacionalismo. "Há uma superexposição do assassino serial, aquele criminoso metódico e de sangue frio, até nos filmes de cinema", explica Goifman. "Queremos mostrar justamente o contrário disso." Serviço - 16.ª Mostra do Audiovisual Paulista. Abertura hoje, às 20h30, para convidados, com a exibição de ´Morte Densa´, de Jurandir Müller e Kiko Goifman, no CineSesc. Rua Augusta, 2.075, tel. 3082-0213. A partir de amanhã, nos seguintes endereços: Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, tel. 3113-3651; Centro Cultural São Paulo. Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611; Escola Estadual Condessa Filomena Matarazzo. Avenida Paranaguá, 472, tel. 6546-4188; Projeto Aprendiz - Praça. Rua Belmiro Braga, em frente do número 186, Vila Madalena; Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141, tel. 5080-3000

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.