Mostra dedicada a Jean Rouch traz filmes que deram origem à nouvelle vague francesa

'Pirâmide Humana' e 'Cocorico! Monsieur Poulet' também ganham edição em DVD

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

21 de fevereiro de 2014 | 19h00

O nome do cineasta francês Jean Rouch (1917-2014) é lembrado como um dos pioneiros do cinéma vérite e festejado como o mestre da técnica do jump-cut (montagem de duas tomadas feitas com diferentes câmeras), consagrada por Godard no clássico da nouvelle vague francesa, Acossado (À Bout de Souffle, 1959). Rouch, naturalmente, fez muito mais pelo cinema – e não só por ele. A etnoficção inventada por Rouch ajudou a África a ser reconhecida numa Europa etnocêntrica, que aprendeu com seu cinema o respeito às tradições dos povos africanos. Prova disso são dois filmes realizados pelo diretor no continente esquecido: Pirâmide Humana (1960) e Cocorico! Monsieur Poulet (1975), ambos incluídos no DVD que o Instituto Moreira Salles (IMS) lança, acompanhando a mostra dedicada a Rouch, que exibe até o dia 27 suas principais obras.

Os dois filmes estão em cartaz neste fim de semana dentro do ciclo promovido pelo IMS do Rio. Desde o dia 15 já passaram pela mostra carioca clássicos como Os Mestres Loucos (1956), Jaguar (1954/67) e Crônica de Um Verão (1960), para citar apenas três obras-primas realizadas por Rouch, que renovou a linguagem do cinema com sua antropologia visual. O crítico e organizador da coleção de DVDs do IMS, José Carlos Avellar, compara a obra do cineasta francês à produção fílmica de outro documentarista, o diretor russo Dziga Vertov (1896-1954). Pioneiro do cinema-verdade (kino-pravda), Vertov é autor de um dos maiores filmes de todos os tempos, o documentário O Homem da Câmera (1929), que registra o cotidiano de cidades russas, em particular Moscou. Ele e o realizador norte-americano Robert Flaherty (1884-1951), autor de Nanook, o Esquimó, foram as duas principais referências de Rouch, assinala Avelar.

Considerando o exemplo anterior de Louisiana Story (1948), de Flaherty, que cruza ficção e realidade num filme sobre o impacto da construção de um oleoduto nos pântanos de Louisiana, Jean Rouch, de fato, deve muito ao americano na elaboração de A Pirâmide Humana. Esse filme deveria registrar a tentativa de integração de uma jovem e moderna estudante francesa à cultura da Costa do Marfim, então recém-proclamada república autônoma na Comunidade Francesa. No entanto, Rouch termina por dar relevo às relações afetivas estabelecidas entre a garota francesa e o antípoda. O cineasta propõe a dois grupos de alunos, brancos e negros, que desenvolvam uma ficção sobre o tenso diálogo entre essas duas culturas – e o resultado é um vigoroso docudrama sobre racismo, ressentimento e emancipação feminina.

O outro filme, Cocorico! Monsieur Poulet, é ainda mais ousado e improvisado. Inicialmente concebido com um documentário sobre o comércio de galinhas em Níger, ele se transforma num híbrido de comédia e drama sobre a trajetória errante do Monsieur Poulet do título e seu ajudante. Eles cruzam o pouco desenvolvido país africano – o terceiro menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo – num furgão tão precário como o equipamento usado nas filmagens por Rouch. Antes dos mestres da Nouvelle Vague e do Cinema Novo, o diretor já usava uma câmara na mão (de 16 milímetros) com uma ideia fixa na cabeça: registrar a vida de pessoas comuns com atores amadores, normalmente encenando o próprio drama. Foi assim que ele dividiu a direção desse singular ‘road movie’ com seus intérpretes, Damouré Zika e Lam Ibrahima.

Avellar fala em “visão disléxica” ao se referir a Monsieur Poulet. “Rouch ficava com um olho no quadro e outro fora da câmera”, resume, destacando a “leveza da construção dramática” do cineasta que, segundo o crítico, “dialoga com o Cinema Novo, no sentido de que havia em algum outro ponto fora do Brasil alguém pensando da mesma forma, filtrando a experiência do neorrealismo italiano e da tradição documental de Vertov, Joris Ivens e Flaherty”. Seu filme Crônica de Um Verão, parceria de Rouch e Edgard Morin, lembra Avellar, é uma experiência seminal que estabeleceu as bases da narração contemporânea no cinema. “Imagine você perguntar às pessoas nas ruas se elas são felizes e filmar as reações imprevisíveis dos transeuntes.” Decididamente, é preciso coragem.

A coleção de DVDs do Instituto Moreira Salles será ampliada em breve com o lançamento do documentário Cabra Marcado para Morrer, marco inicial da carreira do cineasta brasileiro Eduardo Coutinho, recentemente falecido e que “pertence à mesma comunidade criativa” de Rouch, de acordo com o curador Avellar. “Se pensarmos em estrutura de produção, Rouch já estava usando câmera amadora, sem luz artificial, em lugares como a África, muito antes dos diretores do Cinema Novo, dispensando grandes equipes.” O lançamento dos filmes de Coutinho vão obedecer à ordem cronológica de realização para que o público possa investigar a evolução de sua linguagem e seus mecanismos de filmagem. Até o momento foram lançados 12 DVDs de grandes diretores como Bernardo Bertolucci e Joseph Losey. Um dos próximos será A Batalha da Argélia (1966), de Gillo Pontecorvo, polêmico filme sobre a ocupação colonialista francesa e a luta da Argélia para se tornar independente.

A coleção de DVDs do IMS é dividida entre documentários (recentes ou clássicos), filmes de ficção e documentos sobre arte (como o de Ferreira Gullar lendo seus poemas). Pertence a esse último segmento o DVD com uma série de conferências do artista sul-africano William Kentridge nos EUA, a ser lançado ainda este ano.

SERVIÇO:

A PIRÂMIDE HUMANA e COCORICO! MONSIEUR POULET

Direção: Jean Rouch

Lançamento: IMS

Preço:  R$ 39,90

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaDVD

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.