Mostra cinema de poesia exibe raridades no CCBB

Joel Pizzini dispensa apresentações. Diretor de curtasexperimentais como Caramujo Flor, Glauces e o mais recente Abry, sobre a mãe de Glauber, Lúcia Rocha, ele vem sedestacando pela maneira insistente como quer discutir a linguagem num cinema mais voltado para o social, como o brasileiro.Por isso mesmo, não surpreende ver Joel Pizzini fazer a curadoria de um evento como o que começa nesta terça-feira no CentroCultural Banco do Brasil. Até o dia 16, estarão em discussão as diferenças entre o cinema de poesia e o de prosa.Quem formulou o conceito de um cinema de poesia foi um poeta que virou diretor e não era teórico, mas cujos escritos tiverammuita repercussão nos anos 1960. Pier Paolo Pasolini, como Glauber Rocha no Brasil, foi um grande agitador cultural. Seu textosobre o cinema de poesia estimulou Joel Pizzini a fazer a curadoria do ciclo convencido de que, no momento em que o cinemabrasileiro se consolida, ganha força no mercado e volta a ter prestígio no exterior - num contexto diferente do obtido pelo CinemaNovo -, nada mais oportuno do que retomar a discussão sobre a linguagem. Afinal, não era só Pasolini que defendia um cinemaque não fosse narrativo, de prosa. Jean-Luc Godard também disse (lembram-se) que mais importante do que fazer filmes políticosera fazer politicamente os filmes.Pizzini dá sua definição de cinema de poesia. É aquele em que o personagem é a linguagem e a estética precede a ética comoalimento do artista. Baseado neste conceito - e nos escritos de Pasolini e de um crítico que também virou diretor, Eric Rohmer,ele montou o ciclo do CCBB. Optou por filmes em película e não dispôs de cópias de autores importantes, citados por Pasolini,como o Alain Resnais de Hiroshima, Meu Amor e O Ano Passado em Marienbad e o Michelangelo Antonioni de O DesertoVermelho. Glauber não poderia faltar no ciclo e Pizzini vai exibir o único filme que foge à sua determinação de só mostrar obrasem película.Ele só conseguiu, via Ismail Xavier, uma cópia em vídeo (Beta) de Cabezas Cortadas, de ótima qualidade. Acha importante exibiro filme que dá prosseguimento a Terra em Transe e mostra outra faceta de Glauber. Sempre associado à estética da fome,Glauber iniciou com O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro a estética do sonho, mais voltada à linguagem doinconsciente e a vocação onírica do cinema - que nunca é demais lembrar é contemporâneo da interpretação dos sonhos deSigmund Freud. Glauber via no cinema uma dimensão anárquica da matéria onírica e isto é muito forte em Cabezas Cortadas.O ciclo traz o primeiro grande filme de autor do cinema brasileiro, o mais radical experimento de poesia do cinema nacional -Limite, de Mário Peixoto, que vale rever, ou conhecer, porque hoje em dia há cada vez mais gente disposta a contestar o filmemais mítico da história do cinema no País. Outros filmes anunciados são: Alphaville, de Godard, Desajuste Social, de Pasolini,Outubro, de Sergei M. Eisenstein; Vampiro, de Carel Theodor Dreyer; Um Cão Andaluz, de Luis Buñuel; Roma, Cidade Aberta, deRoberto Rossellini; L´Atalante, de Jean Vigo; O Conformista, de Bernardo Bertolucci; De Punhos Cerrados, de Marco Bellocchio;O Homem de Aran, de Robert Flaherty; e Sob o Signo de Leão, de Eric Rohmer, entre outros.Rohmer é um nome fundamental no ciclo. Você pode achar que, por sua natureza - delicados, intimistas, mais preocupadoscom a palavra do que com a ação, com a reflexão mais do que com a história -, os filmes de Rohmer se adequariamperfeitamente ao conceito do cinema de poesia.Rohmer sempre deixou claro que o cinema de poesia de Pasolini não lhe interessa. O que ele gosta é do cinema de prosa.Haverá duas mesas para debater o assunto. Nesta terça-feira, o crítico e ensaísta Ismail Xavier, professor da ECA-USP, e a professoraMaria Betânia Amoroso, vão debater Cinema Narrativo: Adaptações e Recriações. Na próxima terça, dia 11, o crítico InácioAraújo e o cientista social Francisco Elinaldo Teixeira vão debater Cinema não Narrativo: Reflexos e Reflexões Contemporâneas. Ambos os debates serão mediados por Joel Pizzini.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.