Morre o mestre do cinema italiano Gillo Pontecorvo

Gillo Pontecorvo, diretor de clássicos do cinema político como "Queimada" e "A Batalha de Argel", morreu na quinta-feira, no hospital Policlínico Agostino Gemelli de Roma, aos 86 anos. A causa da morte não foi divulgada. Gillo nasceu em Pisa, em 1919, estudou química, mas acabou dedicando-se ao jornalismo. Provavelmente dessa experiência vem o caráter documental de suas obras. Ele ganhou o Leão de Ouro do Festival de Veneza com "A Batalha de Argel". Apesar da filmografia relativamente pequena, Gillo Pontecorvo era considerado um dos cineastas mais importantes do pós-guerra italiano. Imprimiu a seu trabalho um sentido político bastante marcado por sua proximidade com o Partido Comunista Italiano, ao qual se filiou em 1940, tendo participado da luta antifascista entre os anos 1943 e 1945. Com o fim da guerra, orientou-se em direção ao cinema.As duas obras que o colocam em qualquer antologia de obras-primas cinematográficas são "A Batalha de Argel" (1966) e "Queimada" (1971). Na verdade, são duas variantes sobre o mesmo tema: o colonialismo e a luta pela emancipação dos povos dominados."A Batalha de Argel" é quase um documentário, até mesmo na maneira como foi concebida. O guerrilheiro argelino Saadi Yacef, um dos dirigentes da Frente de Libertação Nacional da Argélia, foi preso durante a repressão francesa e condenado à morte. Com a pena comutada por De Gaulle, cumpriu sentença e foi solto. Na cadeia, escreveu o roteiro de um filme e, depois de libertado, levou-o a Pontecorvo. O italiano leu, disse que a idéia era ótima, mas o texto não prestava. Precisavam de um roteirista profissional, e assim foi feito. Yacef tornou-se consultor do filme e indicou pessoas que haviam participado da luta para trabalhar como atores. Isso deu ao filme uma autenticidade rara. Com esse trabalho, Pontecorvo ganhou o Leão de Ouro do Festival de Veneza de 1966."Queimada", com Marlon Brando no papel principal, é uma espécie de manual sobre o modo de funcionamento do colonialismo. Numa ilha fictícia, dá uma demonstração brilhante de como as potências coloniais, de qualquer período histórico, agem para manter sob seu domínio os povos colonizados."Queimada" de vez em quando passa na TV por assinatura. "A Batalha de Argel" foi lançado em DVD pela Video Filmes, uma edição repleta de extras, inclusive uma entrevista com o ex- guerrilheiro Saadi Yacef.Matéria alterada às 21 horas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.