EFE
EFE

Morre o cineasta espanhol Vicente Aranda aos 88 anos

Ganhou dois Prêmios Goya, em 1991, de melhor direção e melhor filme por 'Amantes'.

O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2015 | 08h47

O diretor de cinema Vicente Aranda, um dos mais prolíficos do cinema espanhol e ganhador de vários prêmios no país e em vários festivais internacionais, morreu nesta terça-feira, 26, em Madri aos 88 anos, anunciou a Academia de Cinema espanhola.

Nascido em Barcelona em 9 de novembro de 1926, Aranda recebeu o Prêmio Nacional de Cinematografia em 1988 e ganhou dois Prêmios Goya - os mais importantes do cinema espanhol-, em 1991, o de melhor direção e melhor filme por Amantes.

O erotismo, um dos eixos sobre os quais se movimentou grande parte de sua obra cinematográfica, é visível em muitos dos títulos de sua obra, como em La muchacha de las bragas de oro ou La pasión turcaEm algumas de suas declarações, Aranda afirmava que seu cinema era "testemunhal".

Aranda também chegou a dizer que não era partidário em seus filmes de lançar mensagens ao espectador, embora reconheceu, no entanto, que a paixão "é irrenunciável" e está presente em todos seus trabalhos cinematográficos.

Aranda dirigiu, entre outras, Fata Mongana (1966), Los crueles (1969), La novia ensangrentada (1972), Clara es el precio (1974), Cambio de sexo (1977), El Lute, camina o revienta (1987) o Carmen (2005).

Além de receber vários prêmios Goya na Espanha e ser indicado em muitas ocasiões, sua obra também foi premiada em festivais internacionais de cinema como o de Berlim e o de San Sebastián.

 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    CinemamemóriaVicente Aranda

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.