Morre o ator Nigel Hawthorne

Ele foi um dos mais populares astros da TV inglesa, adquirindo fama (e prestígio) por seus papéis em séries como Yes, Minister e Yes, Prime Minister. Hoje, Nigel Hawthorne morreu de um ataque cardíaco em sua casa em Hertsfordshire, no norte de Londres. Tinha 72 anos e, nos últimos tempos, vinha se submetendo a tratamento de quimioterapia para combater um câncer no pâncreas. Ator de teatro e TV, Hawthorne fez também cinema. Por sua criação em As Loucuras do Rei George, foi indicado para o Oscar da Academia de Hollywood.Era um filme visualmente muito bonito. Não por acaso, ganhou o Oscar de direção de arte. O diretor estreante Nicholas Hytner, que veio do teatro, fez um trabalho brilhante na construção dos cenários, na cenografia e no vestuário, mas nada disso seria relevante se ele não contasse com Hawthorne no papel do rei sábio e benevolente que enlouquece, ou é tratado como louco por seu comportamento extravagante, e vira o centro de uma maquinação urdida pela própria família para afastá-lo do trono.Até pela natureza do papel, Hawthorne teve de permitir-se um certo grau de excesso (controlado) para tornar o rei George convincente. Ao contrário, sua interpretação como o pai que tenta defender a honra do filho em O Cadete Winslow, a magnífica adaptação que David Mamet fez da peça de Terence Rattigan, é um modelo de sobriedade e contenção. Nascido em Coventry, na Inglaterra, em 1929, Hawthorne foi criado na África do Sul. Voltou a Londres nos anos 50 para tentar a carreira de ator. Era muito tímido, mas só teve consciência disso ao interpretar a peça de Christopher Hampton - o roteirista de Ligações Perigosas, de Stephen Frears -, The Philantropist.Como o imperial sir Humphrey Appleby, da série Yes, Minister, virou uma estrela. Era o programa preferido da então primeira-ministra Margaret Thatcher. Prêmios não lhe faltaram: recebeu o Tony, o Oscar do teatro nos EUA, por Shadowland, em 1991, e no ano seguinte o Olivier, o Oscar do teatro inglês, por As Loucuras do Rei George, o que o transformou na escolha certa quando a peça foi transposta para o cinema, em 1994. O crítico Michael Billington escreveu que seu forte era temperar a integridade moral de seus personagens com um senso da ironia que fazia deles figuras humanas e não super-heróis. Em 1999, foi o Rei Lear na montagem da Royal Shakespeare Company. Disse que a vantagem de fazer Lear aos 70 anos é que não precisava representar. ?Sou um velho?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.