Morre o ator Marlon Brando em Los Angeles

Considerado por muitos o melhor ator de todos os tempos, Marlon Brando, que revolucionou as artes dramáticas nos Estados Unidos com suas atuações em Uma Rua Chamada Pecado, de 1951 e Sindicato de Ladrões, de 1954 e criou a icônica representação do personagem Don Vito Corleone em O Poderoso Chefão, de 1972, morreu ontem, aos 80 anos, em um hospital de Los Angeles, disse hoje seu advogado, David J. Seeley. Inicialmente o advogado não quis revelar o nome do hospital e nem a causa da morte. "Ele era um homem muito reservado", disse Seeley. Mais tarde, Roxanne Moster, a porta-voz do centro médico da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, onde Brando estava internado, declarou que ele morreu na noite de ontem devido a uma insuficiência pulmonar. Ela não deu maiores informações. Detalhes sobre o funeral não foram decididos, mas Seeley disse que será uma cerimônia íntima.Há muito tempo Brando deixou de ser o sedutor que arrebatava as platéias nos anos 1950. Segundo uma nova biografia, o ator tinha US$ 20 milhões em dívidas e morava num apartamento de um quarto em Los Angeles, vivendo de uma aposentadoria do Estado.Brando tinha sofrido uma pneumonia, em 2002, doença que o deixou preso em uma cadeira de rodas e respirando com ajuda de uma máscara de oxigênio. O ator também sofria com o excesso de peso: ele recentemente foi visto em busca de potes de sorvete em um supermercado depois que sua enfermeira trancou a geladeria dele.Uma semana antes de morrer, Marlon Brando estava alterando o roteiro de um novo filme, Brando e Brando, em que interpretaria ele mesmo e cujas filmagens começariam este mês, sob a direção do cineasta franco-tunisiano Ridha Behi, que garante, vai continuar a produção em sua homenagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.