Morre o ator francês Philippe Noiret, de <i>Cinema Paradiso</i>

O ator francês Philippe Noiret morreu hoje aos 76 anos após meses de luta contra um câncer, informou hoje seu escritório de representação artística Artmedia.Nascido em 1.º de outubro de 1930 em Lille, no norte do país, Noiret trabalhou com alguns dos principais cineastas franceses, particularmente com Bertrand Tavernier, Louis Malle e Jean-Paul Rappeneau. Ele atuou em mais de 125 filmes, contracenando com estrelas como Catherine Deneuve, Romy Schneider e Simone Signoret. Trabalhou também em inúmeras peças de teatro. Sua fama fora da França cresceu com sua participação em Cinema Paradiso, do italiano Giuseppe Tornatore. Seu rosto bonachão e sereno o fizeram ser escolhido para interpretar o poeta chileno Pablo Neruda, na verão de Massimo Troise e Michael Radford do filme O Carteiro e o Poeta, de 1994. Ganhou duas vezes o prêmio César, considerado o Oscar do cinema francês, com Le Vieux Fusil, de Robert Enrico (1976) e A Vida e Nada Mais, de Bernard Tavernier (1990).Para o primeiro ministro da França Dominique de Villepin, o mundo do teatro e do cinema ficaram repentinamente órfãos com a morte de Noiret.Estréia no cinema com a diretora Agnès VardaApós ter feito cursos de interpretação com Jean Vilar, Noiret estreou no cinema pelas mãos da diretora Agnès Varda em La Pointe Courte, de 1955, que também marcou a estréia da cineasta, com este filme considerado por muitos críticos precursor da Nouvelle Vague. Porém, a autêntica revelação do talento de Noiret no cinema veio com Zazie no Metrô, de Louis Malle (1960).Durante anos, Noiret só apareceu em papéis secundários, até que em 1966 Jean-Paul Rappeneau o colocou como protagonista em A Farsa do Amor e da Guerra. No ano seguinte, seu trabalho em Alexandre le Bienhereux, de Yves Robert, o consagrou a tal ponto no cinema que o levou a deixar o teatro um pouco de lado.O escândalo provocado pelo filme A Comilança, de Marco Ferrari, no Festival de Cannes de 1973, levou-o a uma longa colaboração com Tavernier, com quem rodou L´Horloger de Saint-Paul (1973),Que La Fête Commence (1974) e A Vida e Nada Mais, com o qual ganhou o segundo César, em 1990.Noiret trabalhou com grandes cineastasCom Yves Boisset trabalhou em O Atentado (1972) e Um Taxi Cor de Malva (1977), e com Philippe de Broca em Les Caprices de Marie (1970) e Tendre Poulet (1977).Muito admirado na Itália, onde rodou com Mario Monicelli, entre outros diretores, e em 1988, teve um grande reconhecimento internacional por seu papel em Cinema Paradiso.Nos anos 80 e 90 trabalhou em muitas comédias francesas de grande sucesso de bilheteria, entre elas, a saga dos Três Mosqueteiros. Menos requisitado pelo cinema nos anos 90, o ator voltou ao teatro, uma atividade que dividiu com o cinema nos últimos anos, desde seu último papel no policial Edy, de François Berléand (1995).Amante da vida no campo, dos cavalos puro-sangue Noiret, que desde 1962 esteve casado com a atriz Monique Chaumette, com quem teve uma filha, Frederique, foi durante anos um dos rostos mais populares na arte da interpretação francesa.Confira lista de seus principais filmesEm Busca do Paraíso, de Mario Monicelli (1996) O Carteiro e o Poeta, de Michael Radford (1994) A Filha de D?Artagnan, de Bertrand Tavernier (1994) Tango, Patrice Leconte (1993) Sempre aos Domingos (1991) Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornatore (1989) 3 Irmãos, Francesco Rosi (1980) Uma Mulher na Janela, de Pierre Granier-Deferre (1978) Meus Caros Amigos, de Mario Monicelli (1975) Comilança, Marco Ferreri (1973) Topázio, de Hitchcock (1969) Sete Vezes Mulher, de Vittorio De Sica (1967) Zazie no Metrô, de L.Malle (1959) (Matéria alterada às 18h30)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.