Morre o ator americano Charlton Heston aos 84 anos

Heston sofria desde 2002 de uma doença degenerativa com sintomas similares aos do Alzheimer

Efe,

08 de abril de 2006 | 02h50

O ator americano Charlton Heston morreu neste domingo, 6, em sua residência de Beverly Hills, em Los Angeles, aos 84 anos, segundo confirmou sua família.   Heston, que estava afastado do cinema há alguns anos, sofria desde 2002 de uma doença degenerativa com sintomas similares aos da síndrome de Alzheimer.   O próprio ator anunciou publicamente há alguns anos que sofria desta doença, que também afetou o ator e ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, um de seus amigos.   Heston tornou-se um dos rostos mais conhecidos do cinema mundial ao interpretar papéis de destaque em superproduções de Hollywood nos anos 50 e 60.   Em 1956, ele interpretou Moisés em "Os Dez Mandamentos", e em 1959 foi o protagonista de "Ben-Hur", papel que lhe valeu o Oscar de Melhor Ator.   Além de retirar-se do cinema, Heston, que tinha claras convicções republicanas, se viu obrigado a abandonar sua atividade pública à frente da National Rifle Association (NRA), organização americana em favor das armas que liderou durante anos.   O ator, que participou de mais de 70 filmes, será sempre lembrado por suas atuações em grandes produções do cinema americano, como "O Maior Espetáculo da Terra" (1952), "El Cid" (1961), "O Planeta dos Macacos" (1968), "No Mundo de 2020" (1972) e "Terremoto" (1974).

Tudo o que sabemos sobre:
Charlton Hestoncinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.