REUTERS/Danny Moloshok
REUTERS/Danny Moloshok

Morre Harry Dean Stanton, ator de ‘Paris, Texas’, aos 91 anos

Sua carreira, iniciada em 1957, foi marcada por pequenos papéis até o encontro com Wim Wenders, na obra que venceu a Palma de Ouro em Cannes

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2017 | 21h09

Seu último trabalho ainda nem chegou aos cinemas. Lucky, sobre a jornada espiritual de um velho de 90 anos, está programado para estrear no fim do mês. Será o último filme de Harry Dean Stanton. Ele morreu nesta sexta-feira, dia 15, de causas naturais, em Los Angeles. Tinha 91 anos.

Harry Dean Stanton iniciou-se no cinema há exatamente 60 anos – em 1957. Já não era jovem. Passara dos 30 quando apareceu num pequeno papel de O Festim da Morte, western de Lesley Selander protagonizado por Chuck Connors. Mais dez anos e Harry Dean foi um dos detentos de Rebeldia Indomável, de Stuart Rosenberg, com o astro Paul Newman. A partir daí, não parou mais de trabalhar, mas eram sempre papéis secundários, de durões.

Os Guerreiros Pilantras, de Brian G. Hutton, com Clint Eastwood; Pat Garret e Billy the Kid, de Sam Peckinpah, com James Garner e Kris Kristofferson; O Poderoso Chefão 2.ª Parte, de Francis Ford Coppola, com Al Pacino e Robert De Niro; Alien, o primeiro, de Ridley Scott, com Sigourney Weaver. A lista é interminável e provavelmente seguiria assim se, em 1984, algo não tivesse se passado.

O cineasta alemão Wim Wenders planejava um road movie nos EUA. Um filme escrito por Sam Shepard, sobre um derrotado que parte com o filho em busca da mulher. No imaginário de Wenders, Paris, Texas seria uma variação da Odisseia. O pai ausente. O filho Telêmaco. O filme recebeu a Palma de Ouro em Cannes, fez sucesso de público e crítica em todo o mundo. De repente, aos 58 anos, Harry Dean Stanton virou cult. Iniciou-se outra carreira e, entre outros títulos de prestígio, participou de Twin Peaks e Império dos Sonhos, ambos de David Lynch.

Ele nasceu em Irvine, na Califórnia, em 14 de julho de 1926, numa família modesta. Nunca se casou, mas admitia ter ‘um ou dois filhos por aí’. Faz uma rápida aparição no filme Os Vingadores, da Marvel, onde se encontra com o personagem Bruce Banner/Hulk, interpretado por Mark Rufallo. A cena foi bastante cortada no cinema, mas há informações de que estará nos extras do DVD e Blu-Ray.

COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.