Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Morre Fernando Birri, o mestre do cinema social latino

Nascido em 1925, cineasta argentino dirigiu 'Tire Die - Jogue uma Moeda' em 1958

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2017 | 21h11

Os anos 2000 foram de homenagens para Fernando Birri. Em 2005, foi homenageado no É Tudo Verdade; em 2006, nos festivais de São Luís e no Latino-Americano de São Paulo; e, em 2015, a então presidente Cristina Kirchner o recompensou com um troféu por “sua inestimável contribuição ao cinema argentino e latino”.

Cristina também anunciou a recuperação digital de sua obra. Na quinta, 28, aos 92 anos, Birri morreu em Roma, onde já vivera exilado nos anos 1960. Era considerado um dos pais do novo cine latino. Nasceu em Santa Fé e lá fundou a Escuela Latino-Americana de Documentales. Também foi, com Gabriel García Márquez, um dos fundadores da Escola Internacional de Cinema e TV de San António de Los Baños, em Cuba.

+++O grande mestre do novo cinema latino-americano Fernando Birri

Embora curto, Tire Die – Jogue Uma Moeda, de 1958, é considerado sua obra-prima, e um marco da latinidade. Rodado em Santa Fé, traz imagens devastadoras da infância miserável na cidade em que nasceu. Dirigiu também Los Inundados, de 1961, outro marco, por mesclar o picaresco com o documentário; e Mi Hijo el Che e Un Señor Muy Viejo Con Unas Alas Muy Fuertes, em 1985 e 88.

Mais conteúdo sobre:
Fernando Birri cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.