Morre em São Paulo Fabián Bielinsky, diretor de Nove Rainhas

O diretor de cinema argentino Fabián Bielinsky, saudado internacionalmente pelo seu filme Nove Rainhas (2000), morreu na noite da última quarta-feira, no hotel Marriot, em São Paulo, enquanto dormia. "Foi confirmado que ele morreu nessas circunstâncias (dormindo)", disse à EFE um funcionário do consulado argentino no Rio de Janeiro. Na segunda-feira, seu último filme, El Aura, foi o grande vencedor dos "Prêmios Cóndor" 2005.Supõe-se que o cineasta tenha sofrido um ataque cardíaco e, segundo o jornal argentino El Clarín, a equipe do hotel teve que derrubar nesta quinta-feira a porta do quarto onde estava hospedado. Segundo o principal jornal argentino, o cineasta sofria de hipertensão. Ele estava sozinho no quarto, trancado por dentro. Até esta tarde ainda não havia sido realizada a autópsia do cadáver, por razões religiosas, já que Bielinsky era judeu, informa agência Ansa. Ele era casado e tinha um filho de 11 anos.O consulado argentino em São Paulo, e uma pessoa ligada ao cineasta, organizam os trâmites relativos à repatriação do corpo, acrescentaram as fontes da Ansa na embaixada.A morte do cineasta comoveu o mundo do cinema, que está "dolorido e consternado", disse o secretário da Cultura da Argentina José Nun, que decretou hoje um dia de luto do cinema argentino, como informa o Clarín.Bielinsky veio para o Brasil selecionar um elenco para uma produção não especificada, segundo publicou o El Clarín. Familiares e o consulado argentino já deram entrada no processo para transferir o corpo para a Argentina, onde será enterrado.Prêmios e prestígioBielinsky, de 47 anos, nasceu em 3 de fevereiro de 1959, na cidade de Buenos Aires. Ele se formou em 1983 no Instituto Nacional de Cinematografia e trabalhou durante mais de 15 anos como ajudante de direção em cinema e publicidade.Em 1998, obteve o primeiro prêmio no concurso de Novos Talentos organizado pela produtora Patagonik Film Group, o que lhe permitiu realizar seu filme de estréia, Nove Rainhas, em 2000, protagonizado pelos argentinos Ricardo Darín e Gastón Pauls. Sua obra-prima como diretor e roteirista, foi um sucesso de crítica e vendas que lhe valeu mais de vinte prêmios internacionais.Seu segundo filme, El Aura, conquistou seis prêmios da Associação de Críticos de Cinema da Argentina, na segunda-feira, como melhor filme, melhor diretor e roteirista para Bielinsky. Seu ator preferido, Ricardo Darín, ficou com o de melhor protagonista. O filme ganhou ainda os prêmios de melhor som e fotografia.Apesar de ter dirigido somente dois filmes Bielinsky trabalhou muitos anos como assistente de direção em No Te Vayas Sin Decirme a Donde Vas, de Eliseo Subiela, em 1995 e Sotto Voce, de Mario Levin e em Cohen Vs. Rosi de Daniel Barone.Matéria alterada às 18h38

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.