Morre compositora da primeira trilha sonora eletrônica

Bebe Barron, de 82 anos, compositora da trilha de 'Planeta Proibido', faleceu de causas naturais

The New York Times

08 de abril de 2025 | 19h04

Bebe Barron, que com seu marido Louis compôs a primeira trilha sonora usando efeitos eletrônicos para um filme - os eerie, gulps e burbles, ecos e weeeeoooos que acentuaram monstros invisíveis e criaturas robóticas no clássico da ficção científica de 1956, Planeta Proibido - morreu no domingo em Los Angeles. Ela tinha 82 anos.  Seu filho, Adam, disse que ela morreu de causas naturais. Louis Barron morreu em 1989. A trilha sonora para Planeta Proibido - a história da tripulação de uma nave espacial que viaja a 17 anos-luz da Terra para investigar o motivo do silêncio do grupo de cientistas estabelecidos no planeta Altair-4 - "é verdadeiramente um marco histórico para a música eletro-acústica", disse Barry Scharader, professor de música eletro-acústica no Instituto Californiano de Artes, na quinta-feira, 24. Enquanto os Barrons criavam os temas do filme, sua trilha sonora cruzou a linha tradicional entre música e efeitos especiais, acrescentou. "Em alguns pontos é impossível dizer se o que você está ouvindo é música, efeito sonoro ou ambos", disse.  Efeitos eletro-acústicos contemporâneos são sintetizados digitalmente. Os Barrons usavam tubos de vácuo e gravadores de fitas. Louis Barron desenvolveu circuitos de tubo de vácuo, organizando-os em padrões que controlavam o fluxo da eletricidade para produzir combinações de timbre, volume e outras variáveis.  Charlotte May Wind (seu marido a apelidou de Babe) nasceu em Minneapolis em 16 de junho de 1925, filha única de Frank e Ruth Wind. Ela se formou em música na Universidade de Minnesota em 1947 e então se mudou para Nova York, onde trabalhou como uma pesquisadora do Time-Life enquanto estudava composição musical. Pouco depois, ela conheceu seu marido.  No início dos anos 1950 o casal viveu em Greenwich Village. Quando se casaram, ganharam um de presente um gravador de fitas, com o qual a fascinação por música eletro-acústica começou. Em 1955, o casal conheceu o presidente da MGM em uma festa em Manhattan, para quem mostraram suas experiências pouco usuais. Dez dias depois eles já assinavam um contrato para a trilha de Planeta Proibido.  A trilha conseguiu aclamação da crítica, mas uma disputa com a Federação Americana de Músicos não permitiu que os Barrons levassem o crédito por ela; seu trabalho foi classificado como "tonalidades eletrônicas." Essa questão foi solucionada em 1977, quando Babe ganhou o prêmio Seamus da Sociedade de Música Eletro-acústica nos Estados Unidos.  Os Barrons se divorciaram em 1970. Babe casou de novo em 1975 com Leonard Neubauer. Os Barrons nunca mais fizeram outro filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.