Morre aos 96 a dama do cinema Katharine Hepburn

Katharine Hepburn, a grande dama do cinema americano, morreu hoje aos 96 anos em sua casa em Old Saybrook, no Estado americano de Connecticut. Estrela de Assim Amam as Mulheres (1933), Uma Aventura na África (com Humphrey Bogart, de 1951), De Repente, No Último Verão (com Montgomery Cliff e Elizabeth Taylor, de 1959) e Longa Jornada Noite Adentro (1962), Katharine colecionou o maior número de vitórias no Oscar. Foram quatro prêmios, recorde tanto para atrizes como para atores. E todos eles na categoria principal. Até o ano passado, era também recordista de indicações, um total de doze. Meryl Streep bateu a marca este ano.De personalidade marcante, a atriz ficou famosa por sua beleza elegante, discreta, e por defender firmemente seus pontos de vista. Ex-praticante de boxe e golf, tornou-se um ícone da força e do espírito feminista. Apesar do sucesso, a atriz sentia que poderia ter ido mais longe. "Não sinto ter realizado todo o meu potencial", dizia. Mas emendava: "A vida é o que importa. Passeios, casas, família. Nascimento, dor e alegria - e depois a morte."Katharine nasceu em Hartford, Connecticut, em 12 de maio de 1907, um dos seis filhos do urologista Thomas N. Hepburn e da assistente social Katharine Houghton Hepburn. "Meus pais eram pessoas muito mais fascinantes que eu", acreditava a atriz.Nos anos 20, começou carreira numa companhia de Baltimore e estreou em Nova York com These Days, em 1928. Descoberta na Broadway, a atriz estreou em Hollywood em 1932 com A Bill of Divorcement. Esguia, atlética, elegante, virou logo estrela e no ano seguinte faturava seu primeiro Oscar, por Manhã de Glória. Ao longo de mais de 60 anos de carreira, vieram os prêmios por Adivinhe Quem Vem Para Jantar? (1967), Leão no Inverno (68) e Num Lago Dourado (81).A atriz teve um breve casamento em sua vida, com Ludlow Ogden Smith, de quem se separou em 34: "Eu não acredito em casamento. É impraticável amar, honrar e obedecer. De outro maneira, não seria obrigatório assinar um contrato". Embora não tenha se casado novamente, manteve um longa relação com Spencer Tracy, com quem filmou nove vezes. Morto em 1967, Tracy é referido o grande amor da vida de Katharine, embora ela mesma pouco falasse no assunto - e ele, que era casado, também não.Havia muitos anos que a saúde Katharine deteriorava-se. Em 1990, disse à AP que se achava "desintegrando" gradualmente. "Eu não temo o outro mundo, nem nada. Nem temo o inferno, nem anseio pelo céu." Ainda assim, quatro anos mais tarde, foi convencida por Warren Beatty a filmar Love Affair - Segredos do Coração. Em reconhecimento à sua longa e coerente carreira, acabou eleita em 1999 a maior atriz de todos os tempos, segundo ranking da AFI.Veja galeria de imagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.