Morre aos 86 anos o documentarista Primo Carbonari

Morreu, por volta das 19 horas de terça-feira, aos 86 anos, em São Paulo, o documentarista Primo Carbonari, responsável durante 45 anos por mais de três mil edições do Cinejornal, que era apresentado nos cinemas da capital paulista, Norte e Nordeste do país, antes da exibição dos filmes em cartaz.Carbonari morreu em sua residência, na Barra Funda, zona oeste da cidade, de morte natural. Por causa de sua obesidade, Carbonari já não saía mais da cama, segundo informações de parentes. O enterro ocorrerá nesta quarta-feira no Cemitério do Araçá, na região do Pacaembu, também na zona oeste, onde Carbonari já tem jazigo.De 1929 a 1990, Carbonari registrou as imagens que marcaram a política, o desenvolvimento da indústria e da medicina, os destaques do esporte, com imagens dos gols de Pelé e dribles de Garrincha, os desfiles das escolas de samba, imagens que eram exibidas antes dos filmes, nos cinemas.Um pioneiro do documentário"Tudo começou com a Lei da Obrigatoriedade do Curta, que surgiu em 1937 e obrigava que curtas-metragens nacionais fossem exibidos antes dos filmes nos cinemas. A lei caiu em 1990, com o fim da Embrafilme, conta o produtor e diretor Eugênio Puppo, que prepara o documentário Ampla Visão, que vai contar a história recente do Brasil por meio das lentes de Carbonari. O filme deverá ser finalizado no primeiro trimestre de 2007.Carbonari foi um dos maiores documentaristas de São Paulo. Seu acervo apenas começa a ser recuperado e parte dele vai virar um longa-metragem. É o projeto Ampla Visão, nome que remete ao nome que o próprio Carbonari tinha dado ao seu acervo: Amplavisão.Parte das edições do Cinejornal está fragmentada, mas o que se pode ver sugere uma extraordinária riqueza de imagens.O Projeto Ampla VisãoO Projeto Ampla Visão deve catalogar e recuperar todo o acervo da produtora de Primo Carbonari, que contém mais de 8 mil rolos de filmes e cem fitas de vídeo. ?Primo Carbonari tem um grande trunfo, foi um grande documentarista por ter regitrado fatos importantíssimos da história do Brasil por conta de sua obsessão por filmar fatos políticos. Existem mais de 3200 edições do Cinejornal, coisas raríssimas?, disse Puppo.Alguns amavam e outros odiavam o "Cinejornal". Mas ninguém ficava indiferente. "São cenas históricas. Ele filmou a posse de todos os presidentes da ditadura, do JK, do Jânio Quadros, Café Filho, Getúlio. Isso não pode ser ignorado", defende PuppoMatéria alterada às 15h00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.