Morre aos 83 o ator italiano Nino Manfredi

Nino Manfredi, grande ator da comédia italiana, morreu hoje em Roma, aos 83 anos. Ele havia sofrido um derrame meses atrás, e desde então estava hospitalizado. Manfredi trabalhou com os principais diretores da Itália, entre eles Dino Risi e Ettore Scola, e aparece em clássicos como Nós que Nos Amávamos Tanto, ao lado de Stefania Sandrelli e Vittorio Gassman, Feios, Sujos e Malvados, com Marcella Michelangeli, e Mata-me com Teus Beijos, com Ugo Tognazzi.Manfredi é um dos últimos astros da comédia italiana, que perdeu no ano passado Alberto Sordi. Ambos, aliás, eram colegas, tendo contracenado em filmes como Conseguirão Nossos Heróis Encontrar o Amigo Misteriososamente Desaparecido na África?, de Scola, e Os Carbonários, de Luigi Magni. "Não sei se ele era um amigo, um companheiro ou uma parte indissociável dessa memória durante anos identificada como comédia italiana", disse então Manfredi, ao saber da morte de Sordi.Nascido Saturnino Manfredi, em Castro dei Volsci, 80 quilômetros ao sul da capital, Manfredi começou carreira artística no teatro, no pós-guerra, integrando a trupe do lendário Edoardo de Filippo. Chegou ao auge entre as décadas de 60 e 70. Mais tarde, migrou para a televisão.Em 54 anos de carreira, Manfredi apareceu em mais de uma centena de produções. Também se enveredou pela direção. Em 1971, com Per Grazia Ricevuta, que levou o prêmio de melhor filme de estréia do Festival de Cannes. Em 2003, foi homenageado pela mostra de Veneza, pelo conjunto da obra, mas, já enfermo, não compareceu para a festa. Era casado com Erminia Ferrari e tinha três filhos, Roberta, Luca e Giovanna."Graças a suas habilidades artísticas e criatividade, ele conseguiu alternar sua atividades como ator, autor e diretor, retratando a evolução da sociedade italiana com ironia e sabedoria", afirmou o presidente italiano, Carlo Azeglio Ciampi, em comunicado. Ele foi "talvez o último dos grandes atores de um período do nosso cinema que não volta mais", completou o prefeito de Roma, Walter Veltroni.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.