Arquivo Estadão
Arquivo Estadão

Morre, aos 83 anos, a atriz Aurora Duarte

Descoberta em 1952 pelo cineasta Alberto Cavalcanti, ele a escolheu como protagonista de 'O Canto do Mar'

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2020 | 17h23

Atriz, roteirista, produtora e diretora pernambucana, a lendária Aurora Duarte morreu hoje pela manhã, aos 83 anos, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, onde estava internada havia mais de dois meses, segundo informou seu amigo e também cineasta Pedro Paulo Mendes da Silva, com quem realizou vários documentários sobre artistas plásticos brasileiros. Aurora foi descoberta no Recife pelo diretor Alberto Cavalcanti, em 1952, que a escolheu como protagonista de seu filme O Canto do Mar, uma história de miseráveis retirantes do litoral nordestino que chegou a concorrer à Palma de Ouro em Cannes, em 1953, ganhando nesse ano o prêmio de direção no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary (República Checa).

No filme, o pai fica louco e a mãe assume a responsabilidade pela família. Por uma infeliz coincidência, o fim da vida de Aurora Duarte teve semelhanças com a do pai de seu filme. Com demência senil, a atriz, que não tinha parentes vivos, foi ajudada financeiramente por amigos próximos, mas não resistiu a um tombo e morreu vítima de infecção generalizada. Há muitos anos Aurora, que foi ativa no cinema brasileiro, estava sem trabalho.

Embora voltasse a atuar em produções sem muito sucesso, Aurora passou a dedicar seu tempo à literatura, a dirigir documentários e produzir – foi dela a produção de Riacho de Sangue (1966), dirigido por Fernando de Barros. A atriz é lembrada especialmente por filmes de ação como Armas da Vingança, de Carlos Coimbra, e Três Garimpeiros, do italiano Gianni Pons. Contudo, ela chegou a atuar sob a direção de cineastas mais ambiciosos, como Walter Hugo Khouri, em Fronteiras do Inferno (1959), sobre a realidade do garimpo, na fronteira Brasil-Bolívia,  que garantiu a Khouri importantes prêmios.

Com o marido Walter Guimarães Motta e Coimbra, Aurora produziu um épico, A Morte Comanda o Cangaço (1961). Depois, quando começou a se envolver com o universo literário, casou-se com o editor Massao Ohno. A atriz pernambucana voltaria a Quixadá, cenário do filme, meio século depois, para filmar com um cineasta local, Clébio Viriato Ribeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.