Morre aos 78 o diretor de "O Belo Antonio"

Mauro Bolognini, diretor de pelo menos um filme famoso, O Belo Antonio, com Marcello Mastroianni no papel principal, morreu segunda-feira, em Roma, com 78 anos. Bolognini é dono de vasta obra: dirigiu 42 longas-metragens. Estreou em 1953 com Ci Troviamo in Galeria com Alberto Sordi e Sophia Loren, e encerrou a carreira em 1987 com Gli Indiferenti. Não é tido pela crítica como um "autor", no sentido mais rigoroso do termo, mas como um artesão competente. Avaliação que, provavelmente, terá de ser revista com sua morte.Isso porque a carreira de Bolognini é feita de fases bem distintas umas das outras. Na primeira que começa justamente com Ci Troviamo in Galeria até Gli Innamorati, passando por Giovani Mariti, Arrangiatevi e La Notte Brava (A Longa Noite de Loucuras), foi um diretor muito ligado ao seu mundo contemporâneo, do qual era retratista preciso e crítico ácido. Desta fase, deve-se destacar A Longa Noite de Loucuras, inspirada em Ragazzi di Vita, de Pier Paolo Pasolini, que é, provavelmente, seu trabalho mais incisivo.Depois, Bolognini redirecionou seu caminho, optando por adaptar dramas de época, como Cartuxa de Parma, tirado de Stendhal, e A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas. Fazia essas adaptações tanto para o cinema como para a televisão, que também considerava bom veículo para dramas realistas ou românticos. Nestes, cuidava para que as produções alcançassem a maior verossimilhança possível, prestando muita atenção na direção de arte e na reconstrução dos ambientes de época, figurinos, castelos e mansões. Tudo, nesses filmes, deveria parecer como era no tempo em que são ambientados, sem nenhuma concessão ao distanciamento crítico ou à desconstrução, ambos em moda no período. Bolognini queria levar o espectador ao encantamento e ao ambiente daquelas velhas obras e, nesse ponto, era muito bem-sucedido.No entanto, houve certa implicância com o que seria considerado "esteticismo" do cineasta. Seu gosto pela reconstrução de ambientes, pela precisão na escolha até do mais ínfimo dos bibelôs, foi considerado um exercício de maneirismo - crítica até certo ponto fundamentada. Muitas das suas reconstruções de época ressentem-se da falta de conteúdo mais elaborado. Excelentes na forma, deixam a desejar quanto à profundidade. Às vezes têm corpo, mas falta-lhes alma, como se seu autor, nascido em Pistóia em junho de 1923, e formado em arquitetura, tivesse se deixado levar em excesso pelas exigências da boa forma aplicada ao cinema.Como toda a generalização, esta também leva a equívocos. Quem critica o Bolognini formalista das grandes adaptações literárias se esquece de que ele foi também o autor de versões bem-sucedidas como Agostino, tirada de Alberto Moravia, e Senilidade, baseada em Ítalo Svevo.Mas, é claro, não se pode falar em Bolognini sem mencionar o grande sucesso de O Belo Antonio, tirado do livro de Vitaliano Brancati. E isso não apenas pela presença de Marcello Mastroianni e Claudia Cardinale no elenco, mas pela extraordinária repercussão de uma história tragicômica que trata de um tema espinhoso - a impotência sexual. Pode-se medir o sucesso de uma obra pela maneira como ela entra na linguagem popular. E, apesar de o filme ter mais de 40 anos (é de 1960), a expressão "belo Antonio" ainda anda por aí como sinônimo de alguém ou algum objeto muito bonitinho, mas que não funciona. Na história, quem não funcionava era Marcello, e isso numa comunidade siciliana, onde manda (ou mandava) a tradição que o marido coloque na janela os lençóis da noite de núpcias para provar que cumpriu com seu dever. O filme é ótimo.Mas, dependendo do gosto do freguês, não melhor do que La Notte Brava (A Longa Noite de Loucuras), de 1959. Nada sobra nem falta nesse belíssimo filme inspirado em texto de Pier Paolo Pasolini. Há uma luz neo-realista na maneira seca, porém simpática, como Bolognini mostra uma noite na vida de alguns pequenos malandros. Na farra propiciada pelo produto de um furto, o rapaz leva a namorada a um restaurante de luxo, onde pede ao maître o cardápio completo encomendado por Ali Khan, que ali estivera. E, no fim da noitada, a cédula de dinheiro, que sobrara, é amarrotada e jogada de uma ponte. Já não servia para nada, pois no dia seguinte seria preciso recomeçar tudo. Uma epifania. Um filme como "La Notte Brava" justifica toda uma carreira. Ou uma vida toda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.