Morre aos 76 o diretor Karel Reisz

O diretor checo Karel Reisz, de A Mulher do Tenente Francês, morreu na segunda-feira, aos 76 anos, em Londres, após uma longa batalha contra uma disfunção sangüínea. Sua morte foi informada hoje pela mulher, a atriz Betsy Blair, com quem tinha três filhos.Karel Reisz nasceu na cidade de Ostrava, em 1926. Com apenas 12 anos, fugiu do país por conta da ocupação nazista, nos primeiros momentos da Segunda Guerra Mundial. Seus pais ficaram no país e morreram em campos de concentração.Reisz estabeleceu-se na Inglaterra, de onde participou dos esforços de guerra contra os nazistas. Após o conflito, começou carreira de crítico de cinema nas revistas Sequence e Sight and Sound.Estreou como diretor em 1955 com o curta Momma Don´t Allow, em parceria com Tony Richardson. Fez depois o documentário We Are the Lambeth Boys e em 1960 lançou Tudo Começou no Sábado.Adaptado de um romance de Alan Sillitoe, Tudo Começou no Sábado é apontado como um dos marcos renovadores do cinema inglês, pelo realismo e irreverência. E Reisz tornou-se uma referência do Free Cinema, movimento que reuniu alguns jovens diretores da cena britânica, como Lindsay Anderson e o próprio Tony Richardson.Nos anos 70, dirigiu O Jogador, com James Caan, e o elogiado Jogo Cego ou Soldados da Morte, com Nick Nolte. Em 1981, lançou seu filme mais famoso, A Mulher do Tenente Francês. A história de amor protagonizada por Jeremy Irons e Meryl Streep fez um enorme sucesso de público e crítica. Seus últimos filmes foram o mediano Um Sonho, Uma Lenda, com Jessica Lange, de 1985, e O Crime que o Mundo Esqueceu, de 90, quando já se dividia entre o cinema, a TV e o teatro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.