Morre, aos 62 anos, o cineasta francês Francis Girod

O cineasta francês Francis Girod, famoso por dirigir a atriz Romy Schneider em A Banqueira, morreu na noite de sábado em Bordeaux (França) após um ataque cardíaco, informaram os serviços de emergência. Girod, de 62 anos, sofreu o enfarte de madrugada no hotel no qual estava hospedado em Bordeaux, e os serviços de urgência que o socorreram não puderam fazer nada para salvar sua vida. O cineasta tinha começado sua carreira profissional como jornalista no início dos anos 60 e trabalhou no semanário Le Nouvel Observateur e na rádio e televisão pública francesa. Nascido em 9 de outubro de 1944 na pequena localidade francesa de Semblancay, aos 8 anos foi para Bruxelas, onde, na adolescência, deu seus primeiro passos no teatro e na rádio. Nos anos 60, também começou a trabalhar com cinema. Nesse tempo, colaborou como assistente de diretores como Roger Vadim ou Jean-Pierre Mocky, antes de estrear na direção em 1974 com O trio infernal, protagonizado por Michel Piccoli e Romy Schneider. Girod continuava plenamente ativo, como ilustram seus filmes que entraram em cartaz durante este ano: Um ami parfait, com Antoine de Caunes e Carole Bouquet, e L´Oncle de Russie, com Claude Brasseur e Marie-Josée Nat. O cineasta não se limitou ao trabalho de diretor de longas-metragens, mas também gravou propagandas e foi ator. Sua implicação em diversas fases da indústria do cinema o levou a presidir na França a Sociedade de Diretores de Filmes entre 1988 e 1989 e a Sociedade de Autores e Compositores Dramáticos durante quase dois anos desde 2005. Também fazia parte do conselho de administração da Cinemateca Francesa e foi professor de câmara no Conservatório Nacional Superior de Arte Dramática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.