Morre aos 100 o comediante Bob Hope

O comediante Bob Hope, de cem anos, morreu ontem, por causa de uma pneumonia. Inglês, nascido Leslie Townes Hope, o ator fez fama tanto na tela, como no rádio e no front, animando platéias de soldados da segunda Guerra Mundial à Guerra do Golfo. Colecionou cinco Oscars honorários, foi eleito Cidadão do Século de Holywood e ganhou uma placa de bronze ao lado de uma de suas quatro estrelas na Caçada da Fama. Recentemente, por conta das comemorações de seu centenário, recebeu homenagens dos fãs do cinema, dos veteranos de guerra e de uma longa lista de celebridades, incluindo a rainha Elizabeth II. Pai de Linda, Bob era casado havia quase 70 anos com a mulher Dolores. Bob nasceu em Londres mas mudou-se para os Estados Unidos ainda criança, com a família. Começou carreira artística como dançarino e comediante de teatro. Estreou no cinema nos anos 30 com o filme Folia a Bordo. Nele, cantava Thanks for the Memory, tema que passou a identificá-lo ao longo de sua carreira. Vieram depois O Valente Treme-Treme, de 48, O Rei da Confusão, de 53, e Como Cometer Um Casamento, de 69, entre muitos outros títulos que se destacam dos 60 em filmes em que atuou. Seus principais parceiros no cinema foram os também lendários Dorothy Lamour e Bing Crosby. Hope estrelou com Bing Crosby e Dorothy Lamour uma série de produções que ficaram conhecidas como os filmes "Road To", pois todos traziam no título original esta expressão. Foram sete filmes cômicos e aventureiros entre 1940 e 1962 que consolidaram a dupla Hope/Crosby. A lista começa com A Sereia das Ilhas (Road To Singapore), de 1940, e segue com A Tentação de Zanzibar (Road To Zanzibar), de 1941, A Sedução do Marrocos (Road To Morocco), de 42, Road To Utopia, de 46, A Caminho do Rio (Road To Rio), de 47, Road To Bali, de 52, e Dois Errados no Espaço (Road To Hong-Kong), de 62. Mas vários outros títulos se destacam na lista total de filmes em que Hope atuou. A maior parte de seus filmes ajudou a compor a enorme produção de comédias comerciais da Hollywood pós 2ª Guerra Mundial. Além dos já citados, títulos que se destacam são O Gostosão, de 1949, Um Coringa a Sete Ases, de 55, A Grande Noite de Casanova, de 57, Valentão é Apelido, de 59. Seus muitos serviços prestados ao cinema americano lhe renderam uma fortuna de US$ 200 milhões e uma marca no livro Guiness dos recordes: Bob Hope é o ator mais premiado da história. Mesmo assim, o prêmio máximo do cinema ele só ganhou de forma honorária, por cinco vezes. Hope nunca foi sequer indicado a um Oscar por sua atuação em um filme. Sua participação nas cerimônias anuais da Academia, no entanto, é histórica. Ele apresentou 18 entregas do prêmio. Nos anos 40, começou a atuar como comediante no front, primeiramente na Segunda Guerra. Ao mesmo tempo em que entretinha soldados, ganhou a antipatia de muitos que se opunham a intervenções americanas em países como Coréia e Vietnã. Para estes, Bob passou a representar um tipo de humor conservador e grosseiro. Bob se tornou o único civil nomeado veterano honorário das Forças Armadas. Com a idade avançada, Bob Hope não perdeu o humor. Habituado a tiradas engraçadas, fazia piada da velhice: "você sabe que está ficando velho quando as velas custam mais do que o bolo", disse uma vez. Sobre o centenário, comemorado em 29 de maio último, ele disse: "estou tão velho que cancelaram meu tipo sangüíneo". O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, comentou a morte do ator. "Hoje a nação perdeu um grande cidadão. Bob Hope serviu à nação ao ir aos campos de batalha no estrangeiro para entreter soldados de distintas gerações", disse Bush.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.