Morre a atriz Janet Leigh, estrela de "Psicose"

Janet Leigh, protagonista de uma das cenas mais famosas do cinema, a do assassinato no chuveiro, no clássico Psicose, de Alfred Hitchcock, morreu. Ela tinha 77 anos. O marido da atriz, Robert Brandt, e suas duas filhas, as atrizes Kelly Curtis e Jamie Lee Curtis, estavam ao lado da mãe, quando ela morreu ontem em sua casa, em Beverly Hills, disse Heidi Schaeffer, porta-voz de Jamie Lee. "Ela morreu em paz, em casa", disse Schaeffer hoje à agência de notícias Associated Press. Uma das atrizes mais belas de Hollywood, Janet sofria de uma inflamação nos vasos sanguíneos há um ano.A atriz atuou em vários clássicos do cinema norte-americano, entre eles o thriller político Sob o Domínio do Mal (The Manchurian Candidate), de 1962, em que atuou ao lado de Frank Sinatra, e Touch of Evil, de Orson Welles, de 1958, em que dividiu a cena com Welles e Marlene Dietrich. Mas ela tornou-se mundialmente famosa com Psicose, em que interpretava uma secretária que roubava dinheiro de chefe e fugia de sua cidade. Durante a viagem de fuga, ela decidia passar a noite em um motel de beira de estrada e, enquanto tomava banho, era apunhalada. O papel lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor atriz coadjuvante. No filme, ela contracenou com Anthony Perkins, que interpretava um homem que assumia a personalidade da mãe e cometia diversos crimes.Hitchcock filmou a seqüência da ducha em 70 diferentes tomadas, de dois a três segundos cada. Para isso, Janet passou sete dias consecutivos filmando debaixo da ducha. Quando o filme estreou, não era permitido que os espectadores entrassem na sala de cinema depois que o filme tivesse começado. Mesmo que tal proibição fosse ardil publicitário, Hitchcock explicou suas razões ao cineasta francês François Truffaut, na antológica entrevista que virou livro, dizendo que Janet Leigh fazia um papel importante e que, quem chegasse depois de cinco minutos de atraso, ficaria decepcionado em vê-la morrer sem saber os motivos. Na época, a cena chocou por sua brutalidade.Em 1995, Janet escreveu o livro Psicose: Por Trás das Cenas de um Thriller Clássico. No livro, ela escreveu que as filmagens correram tranqüilamente até os últimos 20 segundos da cena do chuveiro, quando teve de expressar total horror antes as punhaladas do assassino. Nascida Jeanette Helen Morrison, em Merced, Califórnia, em 6 de julho de 1927, ela foi descoberta pela estrela Norma Shearer, quando tirava fotos em um resort de esqui. Shearer indicou Jeanette, ainda adolescente, para o agente Lew Wasserman, que negociou um contrato para ela com a MGM. Como Janet Leigh, ela estreou no cinema em 1947, aos 19 anos, no filme The Romance of Rosy Ridge. Ela tornou-se uma das mais requisitadas atrizes de Hollywood, fazendo seis filmes em 1949.Entre seus filmes estão Act of Violence (com Van Heflin), Little Women, Holiday Affair, Strictly Dishonorable, The Naked Spur, (com James Stewart), Living It Up, Jet Pilot (com John Wayne), Bye Bye Birdie (com Dick Van Dyke) e Safari.Janet já havia se casado duas vezes antes de ir para Hollywood. O primeiro, com John K. Carlyle, em 1942, foi anulado; o segundo, com Stanley Reames, de 1946 a 1948. Em 1951 ela se casou com o astro Tony Curtis, quando as carreiras de ambos estavam no auge. Juntos, eles atuaram em filmes como Houdini e The Vikings. O "casal modelo" se separou em 1963. "Tony e eu tivemos ótimos momentos juntos; foi um período muito bom em Hollywood", ela disse em uma entrevista. "Muitas coisas maravilhosas aconteceram, principalmente, duas lindas crianças (Kelly Curtis e Jamie Lee Curtis)". O casamento de Janet com o empresário Brandt foi o mais duradouro. Janet atuou ao lado de Jamie Lee no thriller de 1980, The Fog e apareceu algumas vezes na televisão nos últimos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.