Moore leva a Cannes crítica à sociedade armada

Um banco de Michigan anuncia um brinde "especial" para novos correntistas: uma arma grátis. A oferta é o ponto de partida do novo filme de Michael Moore, Bowling for Columbine, o primeiro documentário selecionado para disputar a Palma de Ouro em 46 anos do Festival de Cannes.Com seu novo documentário, Moore investiga a obsessão da sociedade americana por armas. Para fazê-lo, o diretor atravessou os Estados Unidos e captou 200 horas de filmagens. O título do filme remete ao massacre na Columbine High School, que aconteceu há três anos.Os jovens Eric Harris e Dylan Klebold foram os autores de disparos que causaram 13 mortes na escola. Suicidaram-se logo em seguida. Na manhã daquele dia, haviam se encontrado para jogar boliche. Eram fãs de Marilyn Manson, e houve quem culpasse o roqueiro pela tragédia. "E por que não culpar o boliche?", ironiza Moore.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.