Montador de "Cidade de Deus" é barrado no Oscar

O montador brasileiro Daniel Rezende foi barrado ontem no tapete vermelho, na entrada do teatro Kodak. Segundo o diretor Fernando Meirelles, em entrevista ao SBT, um segurança, de forma truculenta, impediu que ele percorresse o tapete junto com outros membros da equipe de Cidade de Deus por não portar o ingresso adequado. ?Não adiantou dizer que o Daniel era um dos indicados: sem ouvir qualquer justificativa e de uma forma muito radical, o segurança obrigou nosso montador a sair daqui?, disse. ?Foi uma pena, pois planejávamos entrar todos juntos.? De fato, Meirelles chegou ao teatro acompanhado do diretor de fotografia, César Charlone, e do roteirista Bráulio Mantovani. A movimentação nos 152 metros de tapete vermelho, aliás, foi comparada pelo diretor brasileiro como um verdadeiro circo. ?É impressionante a quantidade de pessoas rodeando os astros por aqui.? A tietagem, porém, não deixou de atacar os próprios brasileiros. César Charlone contou que, ao parar para a tradicional revista de segurança, ele percebeu, ao seu lado, Caleb Deschanel, também diretor de fotografia de filmes como Os Eleitos e Um Homem Fora de Série. ?Fiquei alucinado porque adoro o trabalho dele?, contou Charlone, que se apresentou ao colega como um grande fã. Ao descobrir que estava diante do fotógrafo de Cidade de Deus, porém, Deschanel retribuiu a reverência, dizendo-se fã do trabalho do brasileiro. ?Só por isso já valeu a pena estar aqui?, disse Charlone. Nas horas que antecederam o evento, helicópteros sobrevoavam a região, as ruas foram fechadas por cordões e um fortíssimo esquema de segurança, tecnológico e humano, entrou em ação. Até os 500 fãs que conseguiram lugares sentados para ver o desfile de estrelas no tapete vermelho passaram por cuidadosa revista e seleção. A segurança no palco também foi reforçada, pela primeira vez na história do prêmio. (Com Agências Internacionais)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.