"Monstros S.A." estréia em SP

Há uma piadinha bem no final de Monstros S.A., de Pete Docter: depois de salvar Monstrópolis Sulley e Mike viram capa de uma revista chamada Business Shriek. Qualquer alusão a Shrek não é mera coincidência. Monstros S.A. foi feito para fazer frente ao desenho da DreamWorks que parecia imbatível na disputa do Oscar 2002 e agora tem pela frente a animação da Disney-Pixar.Você pode até dizer que Toy Story e Toy Story 2 eram melhores. O primeiro possuía uma técnica prodigiosa e personagens encantadores, o segundo somou a essas características uma história mais bem bolada ainda. Logo, Toy Story 2 é melhor que o primeiro. A técnica continua assombrosa em Monstros S.A. E a história? Bem, a história talvez não seja tão boa quanto a de Toy Story 2, mas é legal, divertida e até emocionante. Esses caras da Disney-Pixar são feras. Estão realmente revolucionando a animação.É um filme sobre monstros, o título não deixa margem a dúvida. Cheio de seres monstruosos, fisicamente: o grandalhão Sulley já foi comparado ao Abominável Homem das Neves, seu treinador Mike é um limão gigante com um olho bem no meio da cara e há criaturas mais bizarras ainda. Uma parece feita de gelatina, outra tem sete olhos, uma terceira tem cobras nos cabelos. São feios, mas, com exceção do vilão Randall, têm um coração de ouro. Os monstros, quem diria, têm medo das crianças.Na história de Monstros S.A., a cidade em que eles vivem, Monstrópolis, está ameaçada por uma crise de energia. A arma contra o apagão é o grito das crianças, a única fonte de energia de que eles dispõem. O negócio é sair assustando as crianças, mas os monstros acham que elas podem contaminá-los. Têm medo. Entra em cena uma garotinha que se liga a Sulley. Sim, você pode achar que Toy Story 2 é melhor, mas não importa se você é adulto ou criança. Se não chorar no desfecho, merece que um monstro venha puxar o seu pé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.