Monica Bellucci, a diva italiana da vez

Comparada a Sophia Loren, em seus 30 e poucos anos, a atriz Monica Bellucci é a última italiana a seduzir Hollywood. A morena dona de medidas invejáveis vai embelezar a continuação de Matrix, ao lado de Keanu Reeves, e o drama Lágrimas do Sol, em que contracena com Bruce Willis. "A última coisa que considero ao receber uma oferta de trabalho é onde o filme será rodado. Vou para qualquer lugar, desde que goste do roteiro", disse Monica, que iniciou a carreira como modelo.Por dominar outros idiomas - além do italiano, fala inglês e francês -, Monica não se limita a uma única língua no cinema. Após ter dividido o set de filmagem com o ícone francês Gérard Depardieu em Astérix e Obélix: Missão Cleópatra, a atriz nascida em Perugia rodou recentemente na Itália Ricordati di Me, sob a direção de Gabrielle Muccino. Este ano ela ainda viverá Maria Madalena na nova versão cinematográfica da Paixão de Cristo assinada por Mel Gibson, The Passion."Tenho um agente em Los Angeles, que me ajuda a selecionar as melhores propostas da indústria americana. Mas nunca deixarei a Europa", afirmou a atriz, que estreou em Hollywood na pele de uma das noivas do personagem-título de Drácula de Bram Stoker (1992). O cineasta Francis Ford Coppola escalou Monica após ver sua foto em revista de moda. "A participação no filme foi tão pequena que, por pouco, o meu nome não figura nos créditos", brincou.Uma das poucas a quem a palavra "diva" realmente se aplica, Monica não se incomoda em ter a beleza desfigurada nas telas. Após ter sido linchada em Malena, com direção do italiano Giuseppe Tornatore, a atriz de 34 anos é estuprada e mutilada em plano-seqüência de 20 minutos no inédito Irreversível, um polêmica produção francesa. "Faço papéis degradantes com o propósito de denunciar a violência contra a mulher", afirmou. Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista que Monica concedeu à Agência Estado, em Cannes.AE - Até que ponto a beleza pode restringir as escolhas de uma atriz no cinema?Monica Bellucci - A beleza só se torna um problema quando a atriz conta unicamente com ela na carreira. Se você for inteligente, pode usá-la a seu favor. Eu sempre me senti à vontade com a minha aparência. Não apenas porque me acho bonita, mas porque tive a sorte de ser muito amada. Sentir-se bem é um reflexo da sua vida interior.Com Hollywood a seus pés, pensa em redirecionar a carreira, priorizando os filmes mais comerciais?Não. Isso nunca foi o meu objetivo. Eu aceitei atuar em The Matrix Reloaded (com estréia nas telas brasileiras em 23 de maio) porque sou fã dos irmãos Wachowsky, responsáveis pela franquia. Gosto muito de Ligadas pelo Desejo e o primeiro Matrix.Sua personagem, a diabólica Persephone, também estará na próxima seqüência, "The Matrix Revolutions" (com lançamento em novembro)?Tudo indica que sim. Mas não posso revelar nada, pois a Warner exige sigilo absoluto.Como foi contracenar com um astro como Bruce Willis em "Lágrimas do Sol" (com lançamento nos cinemas nacionais em 11 de abril)"?Foi maravilhoso descobrir que ele não é simplesmente o protagonista da série Duro de Matar. Willis é um ator que explora outras possibilidades cinematográficas, como Pulp Fiction - Tempo de Violência e Vida Bandida. Aceitei o papel não só pela chance de trabalhar com o ator, mas também com o diretor Antoine Fuqua (mais conhecido por Dia de Treinamento). Eu interpreto uma médica, salvando 70 refugiados na Nigéria.Como encarou a fria recepção em Cannes de "Irreversível" (ainda inédito no Brasil, onde terá distribuição da Europa Filmes)?Eu me envolvi com o projeto justamente por acreditar no ponto de vista forte e particular do diretor Gaspar Noé. O filme é extremamente realista e violento, o que o torna obviamente difícil de digerir. Por gostar de obras como Saló ou 120 Dias de Sodoma, de Pasolini, encaro o cinema como uma forma de reflexão. E não apenas diversão. Só o fato de Irreversível ter convidado ao diálogo já me deixou satisfeita.A seqüência do estupro seguido de mutilação é difícil de assistir. Como foi rodá-la?Ainda mais difícil. Minutos antes de filmar eu não tinha a menor idéia do que iria fazer. Mesmo assim, preferi não ensaiar o estupro para não perder o impacto. Só entrei na situação quando a câmera foi ligada. Confesso que fiquei ainda mais nervosa quando o ator que supostamente me violenta (Jo Prestia) começa a me espancar. Graças a Deus ele é um boxeador profissional, o que lhe garantiu o controle total na hora de dar socos e pontapés. Ele interrompia o movimento faltando um centímetro para me acertar.É verdade que inicialmente "Irreversível" seria um filme pornô, protagonizado por você e o seu marido (o ator francês Vincent Cassel)?Sim (risos). Por ser um grande amigo nosso, o diretor Gaspar Noé sugeriu que fizéssemos algo do gênero. Ele queria levar a nossa química da vida real às telas e brincar com isso. Só que a idéia caminhou para uma outra direção, ainda que Vincent interprete o meu namorado em Irreversível. O que se vê na tela, quando estamos juntos na cama, é interpretação. Mesmo quando discutíamos a idéia do filme pornô, Vincent e eu deixamos claro que recorreríamos a dublês para as cenas mais explícitas. Não permitiríamos que uma câmera invadisse a nossa intimidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.