Reprodução
Reprodução

'Moana' desbanca 'Animais Fantásticos e Onde Habitam' nos EUA

Neste ano, a Disney lançou cinco dos dez filmes de maior bilheteria

Reuters, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2016 | 09h52

Moana – Um Mar de Aventuras, da Disney, navegou para o topo das bilheterias dos cinemas no feriado norte-americano de Ação de Graças, arrecadando poderosos US$ 81,1 milhões durante os cinco dias, e US$ 55,5 milhões apenas no fim de semana.

Seu sucesso se soma a uma lista recente de triunfos do estúdio. Neste ano, a Disney lançou cinco dos dez filmes de maior bilheteria, é líder em participação de mercado e está prestes a estabelecer um novo recorde de arrecadação anual.

Os destaques incluem Capitão América: Guerra Civil, Zootopia, Doutor Strange, Procurando Dory, Mogli e, agora, Moana – Um Mar de Aventuras, com Rogue One: Uma História Star Wars aguardando na fila.

Dave Hollis, chefe de distribuição da Disney, disse que o sucesso de Moana e de outros lançamentos do estúdio justificam a decisão da empresa em produzir menos filmes, porém com apostas maiores. Parte dessa estratégia envolveu desembolsar bilhões de dólares para comprar Pixar, Marvel e Lucas Film, as marcas por trás de Toy Story, Os Vingadore" e Star War.

"Estamos trabalhando com as maiores marcas e fazendo grandes histórias que ressoam e têm o poder de transcender fronteiras, línguas e culturas ao redor do mundo", disse Hollis.

Enquanto Moana prospera, outros lançamentos não foram tão afortunados. Aliados, da Paramount, arrecadou US$ 18 milhões durante o feriado de cinco dias, e US$ 13 milhões no fim de semana, um resultado considerado fraco dado seu orçamento de US$ 85 milhões.

O filme traz Brad Pitt e Marion Cotillard como o casal de espiões que se envolvem em uma conspiração maior. A direção é de Robert Zemeckis. Pitt passou recentemente por um divórcio conturbado com Angelina Jolie, o que limitou sua participação na divulgação do filme. O ator não deu entrevistas ou fez propagandas, o que poderia ter ajudado a levantar Aliados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.