"Minority Report": autor morreu desconhecido

Quando morreu, em 1982, o escritorPhilip K. Dick era conhecido por poucos, apesar de ter escrito36 romances e mais de cem contos. A fama só veio meses depois desua morte, com o lançamento do filme Blade Runner, o Caçadorde Andróides, de Ridley Scott, inspirado em uma de suasnovelas (Do Androids Dream of Electric Sheep?). Um sucesso quedespertou a atenção de outros produtores, ávidos pela sua ficçãocientífica inteligente. Assim, vieram Screamers - AssassinosCibernéticos, um filme B com Peter Weller; O Vingador doFuturo, de Paul Verhoeven; e, agora, Minory Report, deSpielberg (A Scanner Darkly é o próximo da lista, com direção deRichard Linklater).Nascido em Chicago, em 1928, Dick, apaixonado por música, empregou-se em uma loja de discos e produziu um programa em umaemissora de rádio da Califórnia. Logo se destacou por atitudesincomuns - iniciou um curso universitário, mas não concluiuporque "havia gente demais fumando e lendo o Daily Cal, o quenão me permitia ouvir os professores". Descobriu a ficçãocientífica por engano, aos 12 anos, quando comprou a revistaStirring Science Ficcion em vez de Popular Science.Mais velho, sofreu com estranhos problemas, como ouvirfreqüentemente vozes e ter visões, muitas vezes banhadas por umamisteriosa luz rosa. Seus escritos literários, porém, foramsaudados por poucos, mas interessados estudiosos em históriasfantásticas, como o influente teórico de crítica literáriaFredric Jameson, que o saudou como o "Shakespeare da ficçãocientífica".Embora exagerada, a comparação justificava-se nosescritos - Dick destacou-se pelas histórias visionáriaspós-modernistas, uma espécie de profeta da realidade virtual.Apesar de delirantes, os enredos remetem o leitor a um mundohipotético, mas plenamente convincente, que retratam de formasombria a vida da classe trabalhadora. O Homem do CasteloAlto, editado pela Brasiliense e que apresenta um mundogovernado pelos nazistas, é uma de suas principais obras. Livrospelos quais recebia meros US$ 1.500 até ser descobertopostumamente pelo cinemas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.