Peter Kramer/ Divulgação NBC
Peter Kramer/ Divulgação NBC

'Minha melhor qualidade como ator é a autenticidade', diz Tom Hanks

As vésperas da estreia de seu segundo filme como diretor, ator fala sobre 'Larry Crowne'

Antonio Martín Guirado - EFE,

30 Junho 2011 | 12h03

LOS ANGELES - Tom Hanks, um dos artistas mais queridos, respeitados e admirados dos Estados Unidos, estreia nesta sexta-feira, 1,  Larry Crowne - O Amor Está de Volta, um drama com toques de comédia que protagoniza junto a Julia Roberts e no qual volta a dar um show de "autenticidade", sua melhor qualidade como ator, segundo disse à Agência Efe.

 

"Acho que minha melhor qualidade como ator é a autenticidade, esse é sempre meu objetivo", reconheceu o ator, ganhador de dois Oscar, por Philadelphia (1993) e Forrest Gump (1994), durante uma entrevista telefônica de Miami.

 

"Para mim é difícil apostar em projetos que não são realistas. Os filmes que faço e os que gosto de assistir são aqueles que refletem a vida real, aqueles nas quais a condição humana e nossa natureza são aspectos reconhecíveis", acrescentou Hanks.

 

O ator dirige, co-escreve e protagoniza Larry Crowne, um filme que possui esses ingredientes e que estreia neste fim de semana nos EUA. No Brasil, a produção deve chegar aos cinemas em 22 de julho.

 

Crowne é mais um americano que sofre a recessão do país. Após ser demitido, ser obrigado a vender todas suas posses, decide reinventar sua vida e voltar à universidade para completar sua faculdade.

 

Ali conhecerá à professora Mercedes Tainot (Roberts), alguém que perdeu a paixão por seu trabalho e por seu casamento, mas que vê em Crowne um raio de esperança. Dessa forma, ambos descobrem uma razão para seguir adiante.

 

"Sempre pensei em Julia para este papel", admitiu Hanks. "Qualquer homem que vai à universidade e encontra alguém como Julia, como professora, saberá o que meu personagem passou", acrescentou.

 

O filme chega em pleno verão (no hemisfério norte), uma época na qual os cinemas estão cheios de super-heróis, sequências de sucesso e grandes produções em 3D, como Transformers: O Lado Oculto da Lua, o principal rival de Larry Crowne na bilheteria.

 

"Sabemos que não vamos ser o número um, mas também sabemos que não nos importa", declarou o ator, confiante em sua aposta porque considera que Larry Crowne é uma opção "única" no mercado habitual, um título "simples, elegante, bem atuado e emocionante".

 

"A verdade é que a bilheteria é algo que não pode controlar de nenhuma forma. Se funciona, as pessoas vão conferir, caso contrário, passará despercebido. Estamos confortáveis porque fizemos o filme que queríamos e essa é nosso grande vantagem", comentou um Hanks que espera que a produção, centrada no talento e atração do casal protagonista, cative os espectadores.

 

 

É a segunda vez que Hanks, de 54 anos, fica atrás das câmeras. A primeira foi há 15 anos, com The Wonders - O Sonho Não Acabou (1996), e espera que não passe tanto tempo para a próxima oportunidade.

 

Durante sua carreira, trabalhou com alguns dos melhores diretores do país, como Steven Spielberg, Jonathan Demme, os irmãos Coen e Ron Howard.

 

"Chegou um momento que senti que estava preparado para interpretar um personagem e dirigir os demais. Aprendi no que devia prestar mais atenção e outros detalhes que não precisava me preocupar. E no mais, confiar em meus companheiros", acrescentou.

 

Sua carreira presenteou a indústria cinematográfica com personagens inesquecíveis e embora não declare qual são seus preferidos, garante que são "como filhos para mim", e os primeiros que vêm à mente são Forrest Gump, Apollo 13 e "O Resgate do Soldado Ryan.

 

"Todos me exigiram muito; às vezes fazem sucesso e em algumas ocasiões não, mas cada papel sempre representa um desafio novo para mim", concluiu o ator.

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
Tom HanksEntrevistaLarry Crowne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.