Paprica Fotografia/Divulgação
Paprica Fotografia/Divulgação

‘Minha Mãe É Uma Peça’ estoura e Paulo Gustavo trabalha no 2

Filme ultrapassa 4 milhões de espectadores e tem fôlego e circuito para aspirar a muito mais público

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2013 | 17h51

Em cartaz há sete anos, Minha Mãe É Uma Peça superou a marca de 1 milhão de espectadores e alavancou o sucesso que o ator e roteirista Paulo Gustavo faz hoje não apenas no teatro, mas também na TV e no cinema. Bastaram menos de sete semanas para que Minha Mãe É Uma Peça multiplicasse o número por quatro nos cinemas – na quarta-feira, o filme ultrapassou a marca de 4 milhões de espectadores. Na estreia, Paulo Gustavo já comentava, para o Estado, que produtores e distribuidores contavam com a sequência. Ela agora está prestes a virar realidade.

A produtora Iafa Britz, da Migdal, confirma que a equipe está se reunindo para discutir o 2, mas evita entrar em detalhes porque o projeto está muito embrionário. “Tudo é possível”, diz, mas dá aval a Paulo Gustavo. Como não se mexe em time que está ganhando, o diretor André Pellenz e os roteiristas Fil Braz e Rafael Bradaud estão confirmados. E Paulo Gustavo não deixa por menos – “Adoro criar diálogos. Já tenho vários na cabeça”.

Ciao, Ingrid Guimarães. Iafa não comenta o que ele antecipa – “Quero compartilhar o sucesso com os amigos. Tem um monte de gente querendo estar no filme. A Ana Carolina (cantora e compositora) já se ofereceu para entregar pizza. Herson Capri, que faz o pai (Carlos Alberto), Rodrigo Pandolfo e Mariana Xavier (os filhos) são intocáveis, mas a Soraya (Ingrid Guimarães) vai vazar. A próxima mulher do pai vai ser a Luana (Piovani)”. E Paulo Gustavo vai desenhando o novo filme na cabeça – “Carlos Alberto quer voltar, mas Dona Hermínia, curtindo o sucesso, não vai querer ficar com um miserável como ele. Ela vai tentar novos relacionamentos, mas não consegue porque vive para os filhos”.

Paulo Gustasvo está dividindo o sucesso com sua mãe, que inspirou Dona Hermínia? “Meu filho, tenho conta conjunta com ela. Tudo o que é meu é dela.” O repórter lhe conta a experiência de assistir ao filme três vezes – duas em sessões com público pagante. As pessoas aplaudem. “Tem sido assim. No twitter e no Facebook, as pessoas contam que o filme é aplaudido no final.” Com o boca a boca funcionando, e o filme ainda em cartaz em 220 salas, Iafa Britz antecipava que ontem mesmo Minha Mãe É Uma Peça iria ultrapassar os 4,1 milhões de espectadores que ela fez com o primeiro filme de sua empresa – o espírita Nosso Lar.

“Foi um filme muito harmônico, no processo e no resultado”, define. A questão é saber se Minha Mãe terá fôlego e corrida para bater os 4,8 milhões de De Pernas pro Ar 2, de Roberto Santucci, com Ingrid Guimarães, comédia computada como a maior bilheteria nacional do ano. À espera do recorde, Iafa comemora o share (a participação do filme brasileiro no próprio mercado) e diz que o ano está muito bom. “Melhor do que em 2012, e ainda temos muita coisa para estrear.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.