Marco Antonio Teixeira/Migdal Filmes
Marco Antonio Teixeira/Migdal Filmes

'Minha Mãe é Uma Peça 3' concorre com 'Frozen 2' e 'Star Wars'

Em entrevista ao 'Estado', ator Paulo Gustavo diz que não teme a disputa

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2019 | 06h00

Como Sonia Braga no cinema brasileiro dos anos 1970/80, Paulo Gustavo virou o fenômeno de bilheteria da produção nacional atual. Sozinho, como Dona Hermínia, ou em dupla com Mônica Martelli, seu desempenho nas bilheterias tem sido infalível. Paulo Gustavo tenta agora o que parece missão impossível – estreia Minha Mãe É Uma Peça 3 nesta quinta, 26, imprensado entre Star Wars, o esperado Episódio IX, que ainda permanece como o blockbuster internacional do fim de ano, e o próximo, Frozen 2, que entra no dia 2. Conseguirá o blockbuster nacional dar conta de tanta concorrência? Paulo Gustavo está confiante. E avisa aos navegantes – diz que Minha Mãe É Uma Peça 3 é seu filme mais político.

De 5 em 5 milhões de espectadores, você está remodelando as listas de recordes de bilheteria no País. Vai fazer mais 5 milhões com Minha Mãe 3?

Por que só 5 milhões? Eu não me importo de fazer mais, nem temo a concorrência. Já enfrentamos o Star Wars no passado e o Frozen. Qual era o Star Wars? Ah, sei lá. Nossos números são grandes, mas eu acho que deveria haver uma reserva de mercado para a produção nacional. Os filmes grandes atraem o público, e as pessoas sabem que vão se divertir com a Dona Hermínia. Mas existem filmes menores que também têm de ter espaço. O público precisa se conscientizar disso, o mercado, também.

Minha Mãe 3 arrisca mais e é até um pouco triste. Aborda temas como perda, solidão. Dona Hermínia está numa nova fase, com os filhos no mundo. Juliano vai se casar, Marcelina está grávida. Ela não os controla mais. Não é muita mudança para o seu público?

É, mas a vida é dinâmica e eu estou numa outra fase, acho que mais maduro. Casei-me, sou pai, tenho os gêmeos e, inclusive, vou lhe dizer que estou vivendo uma situação surreal. Thales (o marido) e eu tentamos colocar disciplina nos gêmeos e aí chega a minha mãe, que sempre foi a maior controladora, e bagunça tudo. Como ela diz, a função da avó é estragar os netos. Tudo o que faço tem muito de autobiográfico, e as pessoas sabem disso. Coloco minha vida, minhas experiências, então, estou compartilhando essa fase com meu público. O casamento do Juliano é o meu casamento, a maternidade da Marcelina é a minha paternidade. Ser pai está sendo o máximo. Cada dia é uma emoção, uma descoberta. E o que você diz que é tristeza no filme – para com isso, não afugenta o público –, é um tanto de drama, de amadurecimento. Ninguém é dono dos filhos para sempre. As crianças crescem, vivem a vida delas, vão embora. Todo pai, toda mãe sabe disso. Eu estou nessa fase de olhar na mesma direção dos gêmeos, é gostoso, somos pais dedicados, mas um dia vai mudar. Fiz questão de colocar os gêmeos no filme, de fazer dedicatória no final, porque é tudo muito pessoal.

É um filme que tem casamento gay, mas sem beijo gay. Qual é o problema? Poderia pegar mal na bilheteria?

Qual é o problema? O problema é o (prefeito Marcelo) Crivella, que mandou tirar da Bienal do Livro aquela HQ que tinha beijo gay. O fato, em si, o beijo, não deveria ser problema, mas o preconceito ainda é forte e cria essas situações. Há muito preconceito, muita homofobia. Mesmo sem beijo gay, o Minha Mãe 3 é meu filme mais político, porque ele traz a defesa da diversidade, do casamento gay. É a história da Dona Hermínia, mas eu estou ali com a minha cara, dizendo quem sou, homenageando minha mãe, minha irmã, meu marido, minha família. Não tem bicho de sete cabeças. A gente pode ser diferente, mas é normal, se ama, é trabalhador. O bom é todo mundo se respeitar. Então, nesse Brasil ainda polarizado, a bandeira do filme é o amor.

Por falar em trabalho, tente dar conta de tudo o que anda fazendo. Você tem sempre 1.001 e projetos. Como anda seu ritmo?

Agora vou dar uma parada para as festas de fim de ano, mas estou sempre a mil. Não, não pense que, porque os gêmeos têm babá, eu não fico o dia inteiro em função deles, do Thales, do trabalho. Dona Hermínia acabou no cinema. Não me vejo fazendo um Minha Mãe 4, em compensação vamos transformar em série e será ótima, porque trata de família, e família é um assunto inesgotável, dá para imaginar um monte de tramas para manter a Dona Hermínia ocupada no ar. Estou escrevendo a nova temporada do Vila e também um novo filme que será o maior babado. Marcos Majella e eu como uma dupla de policiais.

Confesso que achei a Samantha Schmütz ótima no filme. Ri muito com ela...

A Samantha é muito importante para mim. Fiz minha primeira peça com o Fábio (Porchat) e não deu certo. Aí, teve um espetáculo em Niterói e a Samantha falou para eu imitar minha mãe. Coloquei os bóbis na cabeça, peguei a vassoura, comprei um vestido. Dona Hermínia estava pronta. Foi assim que nasceu Minha Mãe É Uma Peça.

É seu filme mais cuidadoso como produção e realização...

... E isso é mérito da Susana Garcia, que dirige. A Susana é irmã da Mônica (Martelli) e é perfeccionista. Para chegar a esse equilíbrio de humor e drama a gente ralou. O roteiro foi muitas vezes reescrito, as falas, demos um duro danado. Como diretora ela também cuida de tudo. Da cor, da cenografia, do ritmo. O filme está muito bonito, sim.

Crítica: Muita coisa muda para que a fórmula continue dando certo

É um filme de risco, e Paulo Gustavo sabe disso. Muita coisa mudou na vida dele, e ele transferiu para sua personagem icônica, Dona Hermínia, no terceiro filme da série Minha Mãe É Uma Peça. Os filhos estão indo embora, o que será da dona de casa mais gritona e desbocada do Brasil? Uma coisa é certa – Paulo Gustavo não se vê fazendo Minha Mãe É Uma Peça 4. Mas se você pensa que ele vai aposentar Dona Hermínia se enganou. Ele sabe que ela tem e merece sobrevida na televisão, como série.

Paulo Gustavo quer ser livre para criar e anuncia na entrevista que escreve um policial em que Marcos Majella e ele serão tiras. Gays, naturalmente. Se o projeto se concretizar, será a maior revolução no aparato de segurança brasileiro. Paulo não está para brincadeiras. Ao se projetar tanto no terceiro filme – o casamento gay de Juliano é o dele, a maternidade de Marcelina é a paternidade dele –, inclusive enchendo-o de dedicatórias no final, ele garante que não está cedendo a nenhum surto narcisista. Pegando carona em Gustave Flaubert, pode dizer “Dona Hermínia sou eu!”.

Há mais drama em Minha Mãe 3 e isso também exige mais do Paulo Gustavo ator. É curioso, mas não faz muito tempo que, na França, Guillaume Gallienne ganhou o César, o Oscar nacional, travestido como mulher em Eu, Mamãe e os Meninos, que também dirigiu. Nesse sentido, o Brasil, e o cinema brasileiro, são muito mais preconceituosos. Nem Paulo Gustavo foi premiado como Dona Hermínia, exceto pelo público, nem Ari Fontoura, que também fez uma matriarca cheia de graça em A Guerra dos Rocha, de Jorge Fernando. Fontoura, há 11 anos, causou tanto estranhamento que nem sucesso de bilheteria A Guerra dos Rocha, remake do argentino Esperando la Carroza, conseguiu ser.

Como ator, Paulo Gustavo acerta o tom nos momentos de solidão e melancolia de Dona Hermínia. Ele credita o fato aos acertos do roteiro, que também escreveu, mas principalmente na direção. Susana Garcia, irmã de Mônica Martelli – cujos filmes dirige –, tem fama de trabalhar duro. Como mulher, e diretora, imprime de cara sua marca na série. Menos piadas com gordos, menos estereótipos gays, mais piadas sobre assuntos que a maioria da população brasileira vive como dramas (saúde, segurança, etc.). É muita mudança, mas Paulo Gustavo está otimista. Conseguirá bater Star Wars e Frozen 2, quebrando a hegemonia hollywoodiana na bilheteria de fim de ano? Os filmes precedentes deram certo. Com a palavra, a partir de hoje, o público. / LCM


Os dois filmes primeiros levaram quase 15 milhões de pessoas às salas

Na entrevista, Paulo Gustavo conta como encontrou sua personagem ao seguir um conselho da atriz Samantha Schmütz. Ela lhe disse que parodiasse sua mãe. Paulo adotou os bóbis, a vassoura, colocou um vestido e foi assim que surgiu Dona Hermínia. O sucesso de Minha Mãe É Uma Peça foi retumbante. Dos palcos, ganhou os cinemas. Minha Mãe 1 e 2 foram vistos por quase 15 milhões de espectadores pagantes. O 2 faturou R$ 121 milhões e é o maior sucesso de público de comédia no cinema brasileiro.

Paulo Gustavo é o primeiro a admitir que, embora inspirada em sua mãe, Dona Déa, Dona Hermínia tem muito dele mesmo. “Muita coisa mudou e eu adquiri mais consciência. Não acho que estou politicamente correto, mas acho que tem coisas que eu poderia falar antes e que agora não falo mais. O que eu brincava há dez anos perdeu a graça para mim. Tudo muda e eu também mudei, o mundo mudou”, analisa.

O mais interessante é que, contrariando o lema de que não se mexe em time que está ganhando, cada um dos três filmes foi feito por um diretor diferente – André Pellenz, César Rodrigues e agora Susana Garcia. Rememorando – no primeiro, Dona Hermínia some de casa quando os filhos começam a chamá-la de chata; no 2, transformada em apresentadora de TV, ela começa a lidar com as transformações dos filhos, que querem fugir da sua influência autoritária; no 3, cada um vive sua vida. Rodrigo Pandolfo, que faz Juliano, e Mariana Xavier, a Marcelina, são ótimos e agregam ao sucesso. / L.C.M. 

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo Gustavocinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.