DIVULGACAO
DIVULGACAO

Sueco ‘Minha Irmã Magra’ põe foco diferenciado na família

Longa de Sanna Lenken ganhou prêmio da juventude em Berlim com sua trama sobre anorexia na adolescência

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2015 | 06h00

Vencedor do prêmio de melhor filme da juventude na Berlinale, em fevereiro, Minha Irmã Magra é o longa de estreia da sueca Sanna Lenken. Roteirista e diretora, ela se exercitou em trabalhos para a TV da Suécia. Faz uma boa estreia, e abordando um tema forte, ao mesmo tempo social e intimista, a família. Minha Irmã Magra faz um interessante retrato da família no quadro de uma sociedade competitiva e desenvolvida como a sueca.

Todo mundo tem o que não deixa de ser sua função nessa ordem. Os pais trabalham fora, as filhas estudam. E são diferentes, até fisicamente. A mais velha é a estrela de patinação na escola. Isso lhe garante destaque dentre os colegas. Ela vira a queridinha dos próprios pais. Para melhorar cada vez mais suas performances, ela come cada vez menos. E só quem percebe isso é a irmã mais nova, a gordinha.

A anorexia é um problema seríssimo entre adolescentes. Especialmente as garotas, para atender a padrões de beleza, adotam medidas radicais de emagrecimento. E elas podem ser desastrosas para organismos ainda em desenvolvimento, com a constituição física não completamente definida. De alguma forma, Sanna Lenken fez o que não deixa de ser uma versão invertida da fábula do patinho feio. Stella, o patinho, possui uma consciência que ninguém mais tem no filme – nem os pais nem os educadores e muito menos Katja, sua irmã mais velha.

Sanna conta sua história com economia – e riqueza de observação. Sua grande aposta foi nas atrizes, e ela acertou. Não adianta muito dizer que se chamam Rebecca Josephson e Amy Deasismont. São nomes desconhecidos do público, mas Rebecca, que faz Stella, é neta do ator bergmaniano Erland Josephson. Colam às personagens, são perfeitas nos papéis. Essa mistura de eficiência dramática e tema pertinente fez com que o júri e os próprios jovens elegessem Minha Irmã Magra em Berlim. É uma aposta atraente para os finalistas do Prêmio Bandeira Paulista, na competição de novos diretores.

Mais conteúdo sobre:
Cinema Mostra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.