Mario Anzuoni / Reuters
Mario Anzuoni / Reuters

Milhares dizem 'eu também' a pesquisa de atriz americana sobre assédio sexual

Alyssa Milano convidou as mulheres a escreverem 'Me too' ('Eu também') no Twitter

AFP

16 Outubro 2017 | 12h10

A atriz Alyssa Milano convidou as mulheres a escreverem "Me too" ("Eu também") no Twitter caso tenham sofrido assédio sexual, em uma pesquisa que recebeu milhares de respostas, em meio a um escândalo envolvendo o produtor americano Harvey Weinstein, acusado de abuso e violência sexual.

Durante o domingo, 15, e até o início desta segunda-feira, mais de 30.000 pessoas haviam respondido à atriz americana.

"Se você foi assediada ou violentada escreva 'eu também' em resposta a este tuite", anunciou Milano, desencadeando uma avalanche de mensagens com histórias pessoais de todos os tipos de mulheres em meio ao escândalo em torno de Weinstein.

A própria atriz respondeu a sua pergunta com a hashtag "#MeToo" .

"Eu queria poder lembrar quem eu era antes de '#MeToo'", escreveu outra mulher chamada Rosey.

** Em vídeo de 2005, Courtney Love já alertava sobre Harvey Weinstein

Alguns homens se juntaram à campanha para apoiar as vítimas: "Todos os meus companheiros do sexo masculino devem aprender com #MeToo. A responsabilidade de parar a violência sexual está em nós", escreveu Vinay Ramesh.

Mais de 20 mulheres - algumas atrizes muito conhecidas de Hollywood - acusaram Weinstein de assédio sexual, insinuações ou estupro.

Milano não está entre elas, mas a atriz explicou no Twitter que começou a pesquisa depois que uma amiga lhe deu a ideia.

 

Mais conteúdo sobre:
Harvey WeinsteinHollywood

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.