"Milagre de Berna" é mais que um filme sobre futebol

O longa Milagre de Berna, de Sönke Wortmann, não é um filme apenas para fãs de futebol. Na Alemanha, costuma-se dizer que há dois eventos que setornaram memoráveis para as pessoas que os viveram - um foi a queda do Muro de Berlim, unindo as duas metades, uma capitalista a outra, comunista, em que a cidade fora dividida, após a 2.ª Guerra Mundial. A outra foi a surpreendente vitória da seleção da Alemanha na final da Copa do Mundo de 1954, em Berna, na Suíça. A seleção alemã enfrentava pela segunda vez a da Hungria. No primeiro jogo, foi batida por 8 a 3. No segundo, começou perdendo por 2 a 0, mas o time conseguiu virar o jogo e a partida terminou 3 a 2 e a Alemanha foi campeã do mundo. Só pode ter sido uma milagre, diz a voz popular, que fez com que uma seleção desacreditada desse a volta por cima eterminasse consagrada como a melhor do mundo. Para o diretor Sönke Wortmann, porém, o milagre foi outro e é o que lhe permite construir uma metáfora sobre a Alemanha no pós-guerra. O mérito do filme é construir sua história pelo ângulo do menino. Ele se chama Matthias e, quando o filme começa, é profundamente ligado a um jogador que poderá ir para a seleção. Logo nas primeiras cenas, o atleta diz ao menino que ele é seu mascote. "Nunca perco umjogo se você está presente."O jogador é uma espécie de pai substituto de Matthias, já que o pai biológico é prisioneiro de guerra na União Soviética. A família une-se em torno da mãe. A volta do pai ameaça desestruturar o grupo familiar. Esse homem amargurado, que ficou 12 anos distante, na Sibéria, não sabe lidar com a mulher, nem com os filhos, especialmente o caçula, que éMatthias. Não aceita - não tenta entender - a paixão do garoto pelo futebol. E vai perdendo o respeito de todos até perceber qual é, na verdade, o seu papel naquela família.As duas histórias - a da família e a da nação, a do pai biológico e a do pai simbólico que precisam fazer, cada um na sua praia, gols decisivos - é que faz a graça do filme. Os alemães podem se identificar mais com a trama futebolística. Osespectadores de outras nacionalidades se sentirão mais tocados pela trama familiar. E ambas se completam e iluminam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.