Mickey Rourke é a grande estrela do Festival de Veneza

Depois de onze dias de luxo no tapetevermelho, 21 filmes em competição e inúmeras entrevistas,sessões de fotos e festas, um homem se destacou entre todas asestrelas do festival de cinema de Veneza: Mickey Rourke. O festival, que dá início não-oficial à sessão depremiações que precedem o Oscar, será lembrada pela performancede Rourke em "The Wrestler", de Darren Aronofsky, consideradapelo ator e pelos críticos como seu melhor trabalho até agora. O jornal Corriere della Sera estampou em sua edição dedomingo a manchete "O rugido de Rourke". O filme conta a história de um lutador que estáenvelhecendo e se desespera com o enfraquecimento do própriocorpo e com o fato de que os amigos e a família lhe viram ascostas. "The Wrestler" levou o Leão de Ouro de melhor filme nosábado. O prêmio marca a volta do ator da selva hollywoodiana.Comenta-se que Rourke esteja pronto para abandonar a imagem de"bad boy". Os diretores também dizem que este é só o começo. "Um cara como eu muda muito, eu não queria mudar, mas tivede mudar", disse o astro de sucessos dos anos 1980, como "NoveSemanas e Meia de Amor" e "Coração Satânico" à Reuters, em umaentrevista em Veneza. "Neste estágio da minha vida, não vejo problema em jogar emequipe", acrescentou o ator de 51 anos, cujo rosto é marcadopelas cirurgias que fez devido a vários ferimentos causadospelo boxe. O triunfo de Rourke rendeu elogio unânime ao filme deAronofsky, que teve orçamento apertado, e fez o festivalterminar em alta. Mas os críticos se entediaram com muitos dos filmes nacompetição principal, o que os fez debater se isso foi culpa dagreve dos roteiristas norte-americanos, de erros no processoseletivo ou somente azar. O presidente dos jurados, Wim Wenders, causou polêmica aoquestionar as regras do festival, que impedem que o vencedor doprêmio de melhor filme também leve os prêmios de melhor ator eatriz -- sugerindo que Rourke merecia o prêmio de melhor ator,conquistado por Silvio Orlando pelo filme "Il Papa di Giovanna"("O Pai de Giovanna", em italiano).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.