Reuters
Reuters

Michael Douglas diz que errou como pai e mudou sua vida

Seu primeiro filho, Cameron, de 31 anos, está preso, acusado de tráfico de drogas e à espera de julgamento

22 de janeiro de 2010 | 18h41

O veterano ator Michael Douglas garantiu que sua vida mudou muito após o casamento com a atriz Catherine Zeta-Jones, e reconheceu seus erros como pai no passado, em entrevista publicada pela revista "AARP".

 

Douglas, de 65 anos, confessou que atualmente leva uma vida muito caseira, longe de ambições profissionais e dos excessos da juventude.

 

"Minha carreira era o mais importante, seguida pelo meu casamento e meus filhos. Agora é completamente ao contrário. Antes, nunca tinha pensado em começar uma família e desfrutar da alegria de criar minhas crianças", disse.

 

Por trás da mudança de mentalidade está sua relação com Catherine, 25 anos mais nova que ele, com quem se casou em 2000 após um relacionamento fracassado. Eles têm dois filhos, um menino de 9 anos e uma menina de 6, que buscar sempre na saída da escola.

 

Douglas disse que se ficou apaixonado por Catherine após vê-la em "A Máscara do Zorro" (1998) e disse que queria ser "o pai de seus filhos" logo após conhecê-la.

 

Após uma década juntos, o ator comentou que formam "uma família unida" com os filhos, algo que inclusive foi notado por seu pai, o também ator Kirk Douglas.

 

"Meu filho é mais pai agora que nunca, e está mais próximo de mim à medida que envelhecemos", declarou Kirk.

 

Entretanto, Michael não escondeu sua tristeza pela forma como tinha educado seu primeiro filho, Cameron, de 31 anos, que agora está preso, acusado de tráfico de drogas e à espera de julgamento.

 

"Foi muito doloroso", explicou Douglas, que lamentou por não ter dedicado o mesmo tempo a seu primogênito que a seus filhos com Catherine.

 

"Assumo a responsabilidade que tenho. Teria sido melhor se eu fosse mais presente em sua vida? Certamente. Houve ausências, eu não era um anjo", reconheceu.

 

Douglas, ganhador de um Oscar como melhor ator por seu papel em "Wall Street" (1987), participou da sequência "Wall Street 2: Money Never Sleeps", que estreia em abril, onde volta a ser dirigido por Oliver Stone e retoma o personagem de "broker" das finanças no advento da crise econômica. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.