Mexicanos e diversidade racial, em destaque no Oscar

Os mexicanos estão em evidência nesta 79.ª edição do Oscar da Academia de Hollywood. Tanto que a atriz e produtora Salma Hayek foi convidada para apresentar a lista dos indicados ao lado do presidente da Academia Sid Ganis. A história mexicana neste ano começa com Babel, o drama multicultural de Alejandro González Iñárritu, que recebeu sete indicações, inclusive nas categorias melhor filme, melhor diretor e melhor atriz coadjuvante - para a mexicana Adriana Barraza e a japonesa Rinko Kikuchi. Enquanto isso, O Labirinto do Fauno, do também mexicano Guillermo del Toro, ficou com seis indicações, e Filhos da Esperança, de seu compatriota Alfonso Cuarón, com três. Já a espanhola Penelope Cruz foi indicada na categoria melhor atriz por Volver, trabalho de Pedro Almodóvar que surpreendentemente não entrou na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro. Trata-se da primeira indicação de uma atriz espanhola ao Oscar. O diretor espanhol disse que se tivesse que escolher entre a indicação de melhor filme estrangeiro e a de melhor atriz teria escolhido Penélope, "sem dúvida". Almodóvar disse "me sinto orgulhoso dela (nossa relação vai muito além da relação entre atriz e diretor) e estou muito contente", assinalou em comunicado enviado por sua produtora El Deseo (O Desejo). Salma Hayek ficou empolgada com as indicações de vários colegas hispânicos, como Penelope Cruz (Volver) e Alejandro González Iñárritu (Babel). "Se um deles tivesse sido indicado, já seria ótimo...mas todos! Isso é demais para uma garota nesta manhã", disse a atriz, indicada em 2002 ao Oscar por Frida. Diversidade racial Com cinco negros, dois hispânicos e uma asiática, o grupo de 20 atores indicados ao Oscar foi o de maior diversidade racial já visto até hoje. Depois de décadas em que o Oscar foi um "clube" que praticamente só premiava brancos, o que se vê atualmente é uma mistura muito maior. Especialmente negros foram premiados nos últimos anos, como Halle Berry, Denzel Washington, Jamie Foxx e Morgan Freeman. Os hispânicos e asiáticos vêm atrás. Recordistas Meryl Streep é a atriz recordista de indicações ao Oscar, atingindo sua 14.ª indicação com O Diabo Veste Prada, comédia de David Frankel inspirada no livro autobiográfico de Lauren Weinsberger, em que interpreta Miranda Priestly, megera fashion que humilha a aprendiz Andrea Sachs (Anne Hathaway) na redação de uma revista de moda. O filme tem ainda no elenco Stanley Tucci e ponta da modelo brasileira Gisele Bündchen. Meryl já ganhou duas estatuetas, uma por A Escolha de Sofia (1983) e outra por Kramer versus Kramer (1980). Entre os atores, o destaque fica para o irlandês Peter O´Toole, de 74 anos, que obteve sua oitava indicação ao prêmio que jamais ganhou. Sua primeira indicação por há 45 anos, pelo lendário filme Lawrence da Arábia. A favorita A protagonista de A Rainha, Helen Mirren, uma das favoritas ao Oscar desde a estréia do filme, disse que não tinha idéia de que a produção fosse gerar tanto impacto. "Foi um dos papéis mais difíceis que fiz, afinal interpretei uma pessoa que está viva e exerce diariamente grande influência no Reino Unido", declarou Helen. "E nós conhecíamos tanto pouco da mulher que vive atrás da imagem. Espero que minha performance seja convincente e mostre Elizabeth não só como a rainha, mas também a mulher", acrescentou. Judi Dench, que concorre também na categoria de melhor atriz, por Nota Sobre um Escândalo, revelou que está "assustadoramente em boa companhia (no Oscar)". Globo de Ouro Quatro dos cinco longas indicados ao Oscar de melhor filme foram premiados no Globo de Ouro - Babel, que foi o grande vencedor, Os Infiltrados (Martin Scorsese), Cartas de Iwo Jima (Clint Eastwood) e A Rainha (Stephen Frears). A exceção foi a tragicomédia Pequena Miss Sunshine (Jonathan Dayton e Valerie Faris). Comediantes Cartas de Iwo Jima, de Clint Eastwood, pode ter sido o longa que tirou o lugar do musical Dreamgirls - Em Busca de Um Sonho - um dos favoritos - na categoria melhor filme. Eastwood lançou Cartas praticamente junto com A Conquista da Honra (indicado na categoria melhor edição de som), filmes sobre a 2.ª Guerra Mundial que se complementam. A indicação ao Oscar é novidade para os atores de Dreamgirls - Em Busca de Um Sonho Eddie Murphy e Jennifer Hudson, indicados, respectivamente, nas categorias melhor ator coadjuvante e melhor atriz coadjuvante. Apesar de famoso por seus papéis em comédias, Murphy tinha recebido poucas indicações ao prêmio em sua carreira e a indicação pode representar um salto na carreira de Jennifer, que foi revelada como cantora no reality show American Idol. "Se você entrou em uma lista com esse caras, seu trabalho foi bom", declarou Stephen Frears, diretor A Rainha, à rede de TV BBC, referindo-se aos concorrentes Clint Eastwood (Cartas de Iwo Jima) e Martin Scorsese (Os Infiltrados). A Academia manteve a tradição de ignorar performances cômicas que arrasaram bilheterias. Este ano o azarado foi o comediante britânico Sacha Baron Cohen, de Borat, premiado no recente Globo de Ouro. Cohen não foi indicado na categoria melhor ator, mas concorre pela adaptação do roteiro do filme. O destaque da comédia foi Pequena Miss Sunshine, dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Faris. Além de concorrer ao Oscar de melhor filme, podem ser premiados respectivamente nas categorias melhor ator coadjuvante e melhor atriz coadjuvante Alan Arkin e Abigail Breslin. A atriz de dez anos que interpreta a menina Olive no filme, se tornou a quarta atriz mais jovem indicada ao Oscar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.