Meninos de rua estrelam novo filme de Fontoura

O entusiasmo do cineasta Antônio Carlos Fontoura (A Rainha Diaba, Copacabana me Engana, entre outros) no set de No Meio da Rua é contagiante. É seu sexto longa-metragem e conta uma história que ele vem namorando há quase duas décadas, desde que seu filho Daniel (hoje integrado à produção do filme), com outros meninos do prédio onde morava, no Leblon, fez uma festa com bolo e refrigerante para os garotos pobres que vendiam bala nos sinais de trânsito das imediações."É um filme sobre crianças sem tempo para brincar. O menino rico, Leonardo, tem tantos compromissos, aula de inglês, natação, colégio, que fica sem tempo livre. O menino pobre, Kiko, que vive no Vidigal, também não brinca porque precisa trabalhar. O encontro dos dois os transforma", contou ele na semana passada, quando filmava as últimas cenas do filme. O elenco é recheado de atores globais. Leonardo é vivido por Guilherme Vieira e sua mãe é a atriz Flávia Alessandra. O pai é Tarcísio Filho e Kiko é vivido por Clesley Delfino, que fez um menino de rua em Sabor de Paixão. Há ainda outras crianças, como Daniele Alves e Maria Mariana, que são, respectivamente, as irmãs de Kiko e Leonardo. A maioria veio de grupos que fazem trabalhos sociais com base no teatro, como AfroReggae e Nós do Morro.No Meio da Rua tem orçamento baixo, R$ 1,3 milhão, e foi rodado em 16 milímetros e sem tripé, só com a câmera na mão para reduzir os gastos. "Essa opção determina também a linguagem do filme, mais ágil, além de ter mais locações, cenas ao ar livre que em cenários fechados", adianta o diretor. "Ainda estamos em fase de captação, porque só conseguimos R$ 700 mil, do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Petróleo Ipiranga. Agora vamos atrás dos recursos para finalizar o filme, mas já tenho o que mostrar para aos investidores."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.