Meirelles diz que faria mudanças em O Jardineiro Fiel

"Não quero ver mais esse filme", disse ele à BBC. "Estou feliz com ele, mas obviamente eu mudaria centenas de coisas." E mais: "Nunca páro de trabalhar em um filme. Não consigo." Política x romance Baseado no romance de John Le Carré, o filme é a história de um diplomata britânico cuja esposa é assassinada quando ameaça expor companhias farmacêuticas que testam remédios em africanos.O filme começa como um drama político, mas se transforma em uma história de amor. "Quando li o roteiro, o lado político realmente me interessou. Estava interessado em falar das empresas farmacêuticas e como as corporações e os governos trabalham em conjunto", disse ele. "Assistindo ao filme, no entanto, era como ouvir minha própria voz, como o diretor pregando para a audiência.Comecei, então, a cortar e, no fim, ele se tornou mais uma história de amor." Controle Fernando Meirelles diz acreditar que, no futuro, o mundo vai ver mais produções ambientadas na África ou tendo o continente como tema. Para o diretor, a miséria brasileira é pequena comparada com o que viu no Quênia. Meirelles pretende manter distância das grandes produções dos estúdios de Hollywood. "Não pretendo fazer grandes filmes de estúdio", disse o diretor de Cidade de Deus. "Quero tocar meus projetos pessoais. Se você faz um filme com um grande orçamento as pessoas querem controlá-lo. O pessoal do marketing fala o que você tem que fazer para que eles recuperem o dinheiro. Estou mais interessado em fazer filmes menores sobre os quais eu tenha controle." Ele planeja voltar ao Brasil para completar um filme que conta sete histórias sobre a globalização ao redor do mundo. "Não é um filme político ou sociológico, é mais filosófico, sobre a felicidade. É sobre o que nos torna felizes e as escolhas que fazemos na vida", explica o diretor.É no papel da esposa do diplomata britânico que Rachel Weisz ganhou um Globo de Ouro e foi indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante. O Jardineiro Fiel foi indicado ao Oscar em quatro categorias, incluindo melhor trilha sonora, a cargo do espanhol Alberto Iglesias, mas ficou de fora das esperadas listas de melhor filme e direção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.