Danny Boyle/Divulgação
Danny Boyle/Divulgação

Médicos australianos alertam: '127 Horas' pode provocar desmaios

Cena mostra como o alpinista Aron Ralston mutila o próprio braço para se soltar de uma rocha

EFE,

10 de fevereiro de 2011 | 02h23

Médicos australianos advertiram os cidadãos do país de que o filme 127 Horas não é indicado para algumas pessoas devido ao realismo da cena de uma mutilação, informou a imprensa local nesta quinta-feira, 10.

O hospital St. Vincent, em Sidney, atendeu durante esta semana três pessoas que sofreram desmaios, vômitos e até um ataque epilético dentro do cinema.

A produção narra a história real do alpinista americano Aron Ralston, que precisou arrancar o próprio braço para se livrar de uma rocha que o prendeu por mais de cinco dias no Bluejohn Canyon.

O chefe da unidade de emergências do centro médico australiano, Gordian Fulde, assegurou ao jornal Daily Telegraph que uma cena como essa pode provocar queda de pressão e outros problemas de saúde.

"Um pode começar a perder oxigênio e sangue no cérebro, e o passo seguinte é o ataque em todo o sistema nervoso", disse Fulde, depois de uma pessoa ter ficado inconsciente por cinco horas após assistir ao filme.

O diretor britânico Danny Boyle já foi obrigado a pedir desculpas ao público quando seis espectadores desmaiaram durante a exibição do filme no Canadá e nos Estados Unidos.

127 Horas foi indicado ao Oscar em seis categorias, entre elas a de melhor ator, para James Franco, e a de melhor filme

Tudo o que sabemos sobre:
127 horas, Austrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.