"Matrix Revolutions" é visto primeiro na Austrália

Milhões de fãs ao redor do mundo estão em compasso de espera. Quem viu e gostou de Matrix e Matrix Reloaded vai poder conferir nesta quarta-feira a estréia mundial da ficção científica mais bem-sucedida da história recente. Ao meio-dia de vários países do planeta, Matrix Revolutions chega às telas para contar o fim do épico de guerra entre humanos e máquinas.O público australiano foi privilegiado. Porque a produção rodou os filmes da trilogia na Austrália, foi feita nesta segunda-feira uma pré-estréia de Matrix Revolutions em Sydney. O evento, que ocupou a sala de ópera da cidade, contou com a presença de Keanu Reeves, o predestinado Neo, Jada Pinkett Smith, que interpreta Niobe, e Hugo Weaving, o estranho agente Smith, que em Reloaded se multiplica ao infinito para brigar com Neo. Além dos números que certamente serão motivo de festa de arromba para o estúdio Warner Bros., pode-se adiantar mais coisas sobre Matrix Revolutions. Muita especulação já surgiu sobre o desfecho da trilogia, mas pode anotar que Morpheus, personagem de Laurence Fishburne, descobre que Neo (Keanu Reeves) também é controlado pelos criadores da Matrix. A batalha em Revolutions é para salvar a cidade de Zion, uma espécide refúgio dos humanos, do ataque final das máquinas e, de quebra, libertar os humanos do domínio da realidade virtual. Para isso, enquanto o megaexército da cidade tenta se defender das milhões de sentinelas invasoras, Neo e Trinity decidem ir até um lugar em que há anos nenhum ser humano ousou pisar: na superfície da Terra, queimada e devastada, onde Neo terá que negociar a paz com Deus Ex-Machina, na Cidade das Máquinas. É lá que acontecerá o embate final de Neo e Smith - o agente que consegue se replicar infinitamente. ?No final, até a sobrevivência das máquinas fica ameaçada, porque Smith ficou tão poderoso quanto Neo. Ambos são invencíveis?, diz Reeves. Portanto, prepare-se para um desfecho nada óbvio.

Agencia Estado,

03 de novembro de 2003 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.