UNIVERSAL PICTURES
UNIVERSAL PICTURES

'Maria Madalena', de Garth Davis, traz o viés feminino para recontar a velha história

Filme com Rooney Mara propõe um novo olhar sobre a Paixão de Cristo

Luiz Carlos Merten / Mariane Morisawa , O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 06h00

Embora seja um filme de época – uma versão intimista, desmistificadora, da chamada “maior história de todos os tempos” –, a Maria Madalena de Garth Davis, magnificamente interpretada por Rooney Mara, não poderia ser mais contemporânea na sua angústia, e insatisfação.

De acordo com a tradição judaica de seu tempo, o irmão mais velho, que substitui o velho pai, estabelece que ela deverá se casar e encher de filhos um viúvo. Tal é o papel que a tradição lhe atribui, mas Maria Madalena não quer isso – não aceita. É o que basta para ser considerada endemoniada.

O tratamento de choque não resolve o caso, e Maria Madalena torna-se inconveniente. Uma vergonha para a família. Outro irmão pede licença para chamar o ‘rabino’. Ele entra no aposento. Ao espectador, é dado ver sua sandália, ouvir sua voz. “Não existe demônio nesse corpo.” E não existe mesmo. A insatisfação de Maria Madalena é de outra ordem. A simples voz desse homem, sua calma, terão um efeito apaziguador para os tormentos da mulher. Ela vai abandonar a família, os seus. Vai segui-lo pelas estradas poeirentas da Judeia. Formará parte de seus apóstolos, mas, como mulher, será malvista dentro do próprio grupo.

+ Maria Madalena, o Evangelho da mulher

Muita gente há de estranhar, discordar. Afinal, o ano passado foi, para todos os efeitos, no Oscar, o de La La Land e Moonlight – Sob a Luz do Luar. Tinham suas qualidades, mas o melhor filme daquela seleção era outro, o Lion de Garth Davis. Um ano depois, ei-lo de volta, e dando a sua particular interpretação sobre a Paixão de Cristo. Os incidentes são todos aqueles que o cinema já mostrou antes, e o espectador conhece. Mas, então, por que tudo parece tão diferente? É o filtro da história. O olhar de Maria Madalena. Quando encontra Maria, a mãe do filho de Deus entende tudo, rapidamente. “Você o ama”, diz. “Deve-se preparar para perdê-lo.” É uma experiência e tanto entregar-se a essas imagens, à intensidade dessas emoções. O Evangelho, de novo, mas, agora, da mulher.

+ Com seis indicações ao Oscar, ‘Lion – Uma Jornada para Casa’, do estreante Garth Davis, chega aos cinemas

Muitas vezes o cinema tentou decifrar o mistério do Cristo. Importantes autores tentaram fazer leituras políticas de seu tempo – Nicholas Ray, Pier Paolo Pasolini, Martin Scorsese, etc. Mas talvez nunca tenha existido um Cristo como o de Garth Davis, filtrado pelo olhar de Maria Madalena.

Há nele algo dos profetas que assolam o sertão nos clássicos do Cinema Novo, e isso já basta para que seja diferente dos demais Cristos de Hollywood. Jeffrey Hunter (O Rei dos Reis), Max Von Sydow (A Maior História). Você olha para eles e o tratamento é reverente. Não se assemelham em nada a Joaquin Phoenix, o Jesus de Garth Davis. Um bando na estrada.

+ Rooney Mara e Joaquin Phoenix estão no novo trailer de ‘Maria Madalena’; veja

O Cristo pregando, salvando almas. E, ao seu redor, os discípulos, cada um com sua agenda. Pedro espera que, nas comemorações da Pessach, em Jerusalém, Jesus instaure o Reino e inicie a guerra contra os romanos. Para Judas, patético, meio louquinho, o Reino trará de volta sua mulher e a filha que morreram. Ninguém presta muita atenção no que Cristo está dizendo, porque cada um já criou um discurso para o ‘seu’ Jesus. Só Maria Madalena o ouve de verdade, e adverte os outros. Para ser a rocha sobre a qual se construirá a igreja de Cristo, Pedro terá de excluí-la. Pedro é interpretado por um negro – Chiwetel Ejiofor. Um choque de minorias, não muito frequente no cinema correto.

Phoenix, o Cristo, é mais intenso que qualquer ator que já tenha feito o papel. Basta uma cena para comprová-lo – a ressurreição de Lázaro. Você já viu, o cinema já mostrou. Dessa vez Cristo exaure-se porque tudo se resume a um sopro de vida, a dar e receber. Garth Davis expressa o místico, o sagrado num mundo em que a religião virou ferramenta política – para obter apoio, angariar votos, manipular consciências. Aqui, o mistério fica com Maria Madalena, a sublime Rooney Mara. E o filme ainda esclarece. Ela não era prostituta. Até nisso foi traída pela História.

Mais conteúdo sobre:
Jeffrey Hunter

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.