Marco zero de "Guerra nas Estrelas" sai em DVD

Fique atento: nesta quarta-feira chega às locadoras e lojas especializadas de todo o País o DVD duplo de Star Wars: Episódio 1 - A Ameaça Fantasma. São mais de seis horas de material exclusivo que - a publicidade garante - "vão levar espectador a uma viagem fantástica pelo universo de Guerra nas Estrelas, numa dimensão nunca vista antes". A lista de extras inclui documentários exclusivos e trechos inéditos de filmagem, incluindo sete seqüências especialmente finalizadas para o DVD.Tudo isso torna o lançamento atraente para os fãs da série criada por George Lucas. Só não torna o próprio filme melhor. Episódio 1 é o mais fraco dos quatro filmes que, até agora, integram o universo de Star Wars. Tudo começou com Guerra nas Estrelas, que o próprio Lucas realizou em 1977. Os outros dois filmes que formavam a primeira trilogia - O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi - foram por ele produzidos, mas Lucas cedeu a direção a Irvin Kershner e Richard Marquand. Desde que surgiu o primeiro filme, o produtor e diretor sempre anunciou que aquela trilogia deveria ser completada por outras duas. Um bloco de três filmes ia revelar o que ocorreu antes do filme de 1977. Outro bloco de três filmes deveria mostrar o desdobramento dos personagens da série, após o fecho de O Retorno de Jedi, quando Luke Skywalker resolve o conflito com seu pai. Lucas já desistiu da terceira trilogia, mas não abre mão da primeira, aquela que precede a história de Luke Skywalker e seus amigos: Hans Solo, a princesa Léia, Yoda e a simpática dupla de robôs. A partir de Guerra nas Estrelas, ele formatou o que viria a ser uma tendência dominante em Hollywood. Nas suas pegadas, Steven Spielberg também aprofundaria o conceito do filme como parque temático, mas tudo começou com Guerra nas Estrelas. Tão importante quanto o próprio filme, talvez mais, é hoje toda a parafernália de produtos a ele associados e que o espectador é estimulado a consumir com as duas horas de movimentada aventura de qualquer blockbuster que se preze.Embora intermediário, sem começo nem fim, O Império Contra-Ataca talvez seja o melhor de todos os filmes, com o personagem decisivo de Yoda, que mostra que a imaginação é a força que move o mundo. Que move o cinema de George Lucas, com certeza, é. Para a primeira trilogia, o diretor e produtor teve assessoria do mitólogo Joseph Campbell, que ajudou Lucas e seu batalhão de técnicos e roteiristas a criarem o mito do herói. O problema de Episódio 1 e da nova trilogia em fase de produção, é que Lucas conta agora a história do vilão, o sinistro Darth Vader. Por mais eletrizantes que sejam algumas cenas - a da corrida, por exemplo -, a impressão diante de Episódio 1 é que se trata de uma receita requentada. Lucas levou os efeitos especiais ainda mais longe, ousou mais, graficamente, mas para o espectador tudo é déja vu.Episódio 1 chegou já velhos aos cinemas, o que não o impediu de vender em vídeo, somente nos EUA, 5 milhões de cópias. O lançamento do DVD é mundial. Estará a força com Lucas? Aguarde a resposta quarta-feira, nas locadoras.

Agencia Estado,

15 de outubro de 2001 | 12h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.