"Mar Adentro" comove ao abordar a eutanásia

Mar Adentro, de Alejandro Amenábar, comovente drama sobre eutanásia que concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro, estréia hoje no Brasil. Chileno radicado na Espanha, Amenábar já faz frente a Pedro Almodóvar em termos de popularidade dentro da comunidade cinematográfica internacional. Tanto que seu filme desbancou Má Educação como indicado da Espanha ao Oscar de filme estrangeiro.Até então conhecido por seus filmes de suspense cheios de estilo, como Abra os Olhos (1997, refeito pelos americanos como Vanilla Sky) e Os Outros, com Nicole Kidman, Amenábar agora nos oferece um drama capaz de desestabilizar o mais duro dos corações, além de mexer com um tema ainda polêmico em muitos países. O filme é baseado no livro deixado por Ramón Sampedro, vítima de um acidente na juventude que o deixou tetraplégico e que passa os 30 anos seguintes brigando pelo direito de tirar a própria vida, até que o fez, em 1998. O personagem é interpretado por outro astro espanhol em ascensão, Javier Bardem, dono de 1 dos 14 Goyas (o Oscar espanhol) conquistados pelo filme. Antes de estrear na Espanha, em setembro do ano passado, Mar Adentro já havia sido duramente criticado pelos representantes da Igreja Católica em seu país. "A Igreja classificou o ato de Sampedro como covardia, mas eu vejo muita coragem no que ele fez", contou Amenábar ao Estado durante o Festival de Veneza, de onde o filme saiu com o prêmio especial do júri e a Copa Volpi de melhor ator.

Agencia Estado,

18 de fevereiro de 2005 | 11h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.