MAM exibe clássicos e raridades de Buñuel

Em homenagem ao centenário de nascimento do cineasta espanhol Luis Buñuel, a cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio exibe uma mostra de sua obra a partir desta quarta-feira. Serão apresentados sete filmes da fase mexicana do cineasta, quase todos inéditos no País, como a comédia Si Usted No Puede, Yo Sí, de 1950, onde ele passa de diretor a roteirista, e também clássicos produzidos na França, como A Bela da Tarde, de 1966.Depois de fugir da ditadura de Franco na Espanha, Buñuel passou pelos Estados Unidos e chegou ao México em 1946, onde morou até sua morte, em 1983. As paisagens áridas, os problemas sociais, os tipos físicos, a religiosidade e, principalmente, a ligação dos mexicanos com a morte seduziram o cineasta e serviram de fonte de inspiração.Ainda que seja a menos conhecida, muitos críticos consideram a fase mexicana a sua mais importante, por aproximar-se de temas profundos, como em O Alucinado (Él), de 1952, onde ele usa os conflitos de um milionário para discutir a moralidade humana. Desta fase, Nazarin (1958) e Os Esquecidos (1950) são os mais conhecidos.Além desses, cinco filmes da fase francesa do diretor também serão exibidos, inclusive o seu primeiro curta-metragem, Um Cão Andaluz, de 1928, cuja autoria ele dividiu com o pintor Salvador Dali, e sua última obra, O Obscuro Objeto do Desejo, de 1977. Serão exibidos também os clássicos A Bela da Tarde (1966) e O Discreto Charme da Burguesia (1972).Mostra Centenário de Luis Buñuel - Museu de Arte Moderna de 06 a 22 de setembro Av. Infante Dom Henrique, 85, Centro do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.