MAM abre ciclo do cineasta Werner Herzog

Werner Herzog, René Clair e Claude Chabrol - o que há de comum entre esses diretores? Estão sendo homenageados pelo Museu de Arte Moderna, que promove de sábado até 17 de dezembro programações especiais formadas por seus filmes. Grandes filmes, diga-se de passagem. Ao ver Aguirre, a Ira de Deus e O Enigma de Kaspar Hauser, de Herzog, François Truffaut perguntou-se se o alemão não seria o maior diretor do mundo, no começo dos anos 70.Justamente esses dois filmes iniciam, sábado, a programação do MAM, que deve prosseguir aos sábados e domingos. Herzog foi sempre obcecado por personagens de sonhadores alucinados. Aguirre e Kaspar Hauser estão entre os mais densos de sua filmografia, mas também merece destaque Fitzcarraldo, aquele visionário que queria criar um teatro de ópera na selva amazônica para ouvir Caruso. Fitzcarraldo passa no domingo. Os últimos anos não têm sido bons para Herzog. Sua grande fase é coisa passada. O tempo também foi inclemente com René Clair. O vanguardista francês dos anos 20 foi saudado como príncipe da comédia nos 30 e 40. Nos 50, começou a ser cutucado pelos críticos da revista Cahiers du Cinéma, que logo criariam a nouvelle-vague. O ciclo de Clair ocorre em novembro, com o de outro francês ilustre, Chabrol.Vai exibir títulos clássicos de ambos - A Nós a Liberdade, 14 de Julho, Sob os Tetos de Paris e As Grandes Manobras, do primeiro. Os Primos, A Mulher Infiel, O Açougueiro e As Simplórias, do segundo. Em dezembro, volta com Herzog. Chabrol costuma ser comparado a Balzac por sua crítica à burguesia francesa. Clair influenciou Charles Chaplin, que se inspirou em A Nous la Liberté para fazer Tempos Modernos. A história do cinema não seria a mesma sem esses diretores.Mostra Werner Herzog. Sábado, às 14 horas, Aguirre, a Ira dos Deuses; às 16 horas, O Enigma de Kaspar Hauser. Domingo, às 14 horas, Coração de Cristal; às 16 horas, Fitzcarraldo. Grátis. MAM - Auditório Lina Bo Bardi. Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n.º, portão 3 do Parque do Ibirapuera, tel. 5549-9688. Até 17/12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.