Mais de 700 pessoas assinam petição a favor de Polanski

Mais de 700 personalidades, em especial do mundo cinematográfico, assinaram uma petição internacional que pede a liberação do cineasta franco-polonês Roman Polanski - preso na Suíça por solicitação da justiça americana, que o acusa de ter cometido um delito sexual em 1977.

Agências internacionais,

05 de outubro de 2009 | 16h50

 

O ator mexicano Gael García Bernal e seu compatriota Guillermo del Toro, além dos espanhóis Penélope Cruz e Joaquín Sabina, se juntaram à petição iniciada na França pela Sociedade de Autores e Compositores Dramáticos (SACD). "Pedimos a libertação imediata de Roman Polanski", afirma o documento, que desde a semana passada conta com as assinaturas dos cineastas americanos Woody Allen, David Linch e Martin Scorsese; do brasileiro Walter Salles; do espanhol Pedro Almodovar; dos mexicanos Alfonso Cuarón e Alejandro González Iñárritu; do alemão Win Wenders; e do servo Emir Kusturica.

 

Polanski, de 74 anos, foi preso no dia 26 de setembro ao chegar na suíça, atendendo a um pedido da justiça dos Estados Unidos, que alega que ele manteve "relações sexuais ilícitas" com uma menina de 13 anos em 1977, em Los Angeles. Os EUA têm 40 dias para apresentar à Suíça um pedido formal de extradição.

 

Samanta Geimer, que hoje tem 45 anos e é casada, pediu em janeiro que as acusações contra o diretor sejam abandonadas.

 

A repartição Federal de Berna irá se pronunciar nesta semana a respeito de um recurso pela libertação de Polanski, apresentado na semana passada pelos advogados do cineasta.

Tudo o que sabemos sobre:
Polanski

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.