Plateau Produções, Desbun Dilmes
Plateau Produções, Desbun Dilmes

Mais de 100 filmes, de 18 países, serão exibidos no Festival Latino-americano de São Paulo

Esta é a 12ª edição do evento

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2017 | 20h52

Em mercado formatado para o filme norte-americano, produção da América Latina tem pouca vez. Daí a importância do Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo, que começa hoje e traz 102 filmes de 18 países da região. O evento se estende até 2 de agosto e começa hoje com um esperado longa-metragem brasileiro - Corpo Elétrico, de Marcelo Caetano. Conhecido pelo olhar ousado e inventivo sobre a diversidade sexual, Caetano promete uma história sobre jovens trabalhadores de São Paulo, que discute o afeto e homossexualidade, na projeção ao ar livre, às 20h30, no Memorial da América Latina. 

O homenageado deste ano será outro brasileiro - o diretor paulista Beto Brant, autor de obras já referenciais no cinema brasileiro como Os Matadores e O Invasor. Desta vez, Brant faz-se representar por dois documentários. Em Zócalo, acompanha a festa do Dia dos Mortos no centro histórico da Cidade do México, tendo como cicerone o artista plástico e diplomata mexicano Felipe Ehrenberg, que morreu este ano. O outro, Ilú Obá de Min - Homenagem a Elza Soares, presta tributo à nossa grande cantora. 

Muitos outros trabalhos brasileiros estarão presentes na programação. A título de destaque, pode-se apostar em títulos como No Vazio da Noite, de Cristiano Burlan, Para Ter Onde Ir, de Jorane Castro, e Rifle, de Davi Pretto. Algumas atrações brasileiras terão première mundial ao longo do festival, como Apto 420, de Dellani Lima, Música pelos Poros e Gilberto Mendes e a Música Nova, ambos de Marcelo Machado.

Entre as atrações internacionais algumas são imperdíveis. O Inverno, do argentino Emiliano Torres, é uma obra belíssima, e também muito dura, ambientada na Patagônia. Mostra a vida dos pastores de ovelhas, em trabalho árduo num ambiente tanto belo quanto hostil. Mas é sobre as relações de trabalho precárias que o longa se debruça, sem qualquer cacoete de “obra de denúncia social”. 

Quem curte a estranheza no cinema terá razões para se deleitar com Região Selvagem, do mexicano Amat Escalante. Ele já é conhecido aqui por Heli, um filme violento sobre relações amorosas, tendo o narcotráfico como cenário dramático. Em Região Selvagem, Escalante deixa de lado o realismo e dialoga com o fantástico. Num local retirado, um casal de pesquisadores estuda um misterioso monstro, que se nutre da sexualidade alheia. O filme, incômodo e bem realizado, faz alusão aos instintos primitivos que se abrigam em todo ser humano. Traduz, em imagens, essa “região selvagem”, amoral e indomável, que estaria inscrita no cerne de nosso ser.

Refletindo o momento positivo da cinematografia do país vizinho, o Festival programou um “Foco Chile”, com filmes recentes mais significativos. Más Companhias, de Claudia Huaiquimilla, Rei, de Niles Atallah, e Vida em Família, de Cristián Jiménez e Alicia Scherson, são boas apostas. Mas uma delas merece atenção particular: Jesus, de Fernando Guzzoni, não tem nada a ver com questões religiosas. Muito pelo contrário. Jesus é o nome de um adolescente de periferia, que ronda o mundo do crime. Aqui, a estética é de realismo cru. 

A programação do Festlatino é vasta e cada espectador terá de garimpar áreas de seu interesse. Nota-se que a curadoria, a cargo de Jurandir Müller e Francisco Cesar Filho, procura expandir o alcance do evento. Um público, até agora desassistido, recebe a seção Latininhos, para crianças. Alguns dos destaques são Castelo Rá-Tim-Bum, de Cao Hamburger, e o desenho animado Cantando de Galo, de Gabriel Alatriste. 

Entre as atividades reflexivas, merecem atenção as mesas de debate programadas. Uma delas discutirá Corpo Elétrico, filme de abertura. Outra, a obra do homenageado, Beto Brant. O encontro Cinema, Novos Dispositivos, Imagens e Comportamentos terá presença do antropólogo italiano Massimo Canevacci, figurinha carimbada do mundo acadêmico internacional. 

As informações e a programação podem ser obtidas no site www.festlatinosp.com.br e na fanpage do evento no Facebook, facebook.com/festlatinosp. 

DESTAQUES

A Região Selvagem

Cotidiano de cidadezinha é alterado com a chegada da misteriosa Verônica. Ela convence que a solução dos problemas de todos mora numa cabana retirada, no meio da mata. 

Gilberto Mendes e a Música Nova

Perfil do saudoso maestro santista, pioneiro da música erudita de vanguarda no Brasil. 

Zócalo 

A tradicional Festa do Dia dos Mortos, na capital mexicana, vista por um artista plástico que viveu e fez carreira no Brasil. 

Jesus

Jesus é um adolescente inexperiente que, numa noitada em companhia de um grupo de jovens, acaba se envolvendo num fato irreversível. Pede ajuda ao pai, até então muito ausente. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.